Na América Latina, 12 de outubro é celebrado como Dia da Resistência Indígena | Land Portal

Data foi firmada originalmente pela chegada dos colonizadores europeus à América e ressignificada

 

No dia 12 de outubro, a América Latina celebra o Dia da Resistência Indígena. Em toda a região, a data foi ressignificada, tendo sido, originalmente, atribuída à celebração da chegada de Cristóvão Colombo às Américas – ou o "Dia da Hispanidade". Ainda hoje, a data é celebrada desta maneira na Europa, como uma "descoberta" do novo mundo que, para os povos originários, significaria séculos de exploração e extermínio.

Atualmente, existem cerca de 826 povos indígenas na região latino-americana. São mais de 45 milhões de pessoas, o que representa cerca de 10% da população do continente. Nos últimos anos, as investidas contra as populações originárias tem se acentuado com retrocessos legislativos, golpes de Estado e avanço extrativista.  

Na Argentina, a data foi firmada como "Dia do Respeito à Diversidade Cultural". Os movimentos indígenas e antirracistas, entre eles OLP Resistir y Luchar, Coluna Antirracista e Resumen Latinoamericano, prepararam um escracho à estátua do ex-presidente militar Julio Argentino Roca, no centro da capital federal, em Buenos Aires.

Roca liderou a chamada "Campanha do Deserto", que promoveu o genocídio de povos indígenas mapuches na Patagônia entre 1876 e 1879. O ato acompanha o movimento de desmonumentalização promovido por movimentos progressistas, que têm lutado contra a homenagem a colonizadores e genocidas em diversos países.

Por sua vez, o Movimento de Mulheres Indígenas pelo Bem Viver convocou à primeira greve plurinacional em defesa do povo mapuche, que tem sofrido despejos violentos na Patagônia. O movimento denomina esses crimes como "terricídio".

"Estão nos expulsando das nossas terras. As empresas extrativistas roubam nossa água em todos os territórios plurinacionais", afirmam, na convocatória, que incita para a data a abertura de rádios, marchas, concentrações e festivais.

No documento, ressaltam as reivindicações a promulgação da lei de propriedade comunitária; um dispositivo político, democrático e humano para impedir os despejos e operações repressivas contra os povos indígenas; a não criminalização da luta dos povos indígenas; e a aprovação da lei de defesa territorial das mulheres indígenas contra as violências de gênero sofridas nas comunidades.

Em defesa da Whipala
 
Outro ato significativo ocorre na Bolívia com o chamado "Grande Wiphalazo", em referência à bandeira de quadrados coloridos que simboliza as nações indígenas andinas. Milhares de bolivianos se reuniram em distintos pontos do país para alçar a bandeira, símbolo reconhecido pela Constituição do país.
 

O Wiphalazo não apenas reivindica a data como celebração da identidade cultural e a resistência indígena e em oposição à conquista espanhola, mas reforçam o movimento popular contra as investidas do setor direitista ligado ao golpe de 2019, que tem buscado desestabilizar o governo do presidente Luis Arce (MAS).

Nesta segunda-feira (11), grupos de direita convocaram uma greve geral em oposição à Lei Contra a Legitimação de Renda Ilícita, que teve seu tratamento postergado.

O governo avaliou ontem como atividade normal no território e classificou como uma jornada de greve institucional e política liderada pelos comitês cívicos que rejeitam o projeto de lei. 

“Não somos bicentenários, somos milenários”
 
Na Guatemala, o 12 de outubro é celebrado como o Dia da Dignidade, Resistência Indígena, Negra e Popular. Uma marcha partiu do Obelisco em direção à Câmara da Indústria, na Cidade da Guatemala, com concentração desde às 8h.
 
“Neste 12 de outubro, comemoramos 529 anos de resistência indígena, negra e popular, porque desde o início da invasão europeia, não deixamos de lutar contra as violentas imposições com que pretendem nos submeter e calar”, afirmou uma integrante da Assembleia Social e Popular Guatemala em uma conferência de imprensa realizada no território Ixil, para convocar à marcha.

 Copyright © Fuente (mencionado anteriormente). Todos los derechos reservados. El Land Portal distribuye materiales sin el permiso del propietario de los derechos de autor basado en la doctrina del "uso justo" de los derechos de autor, lo que significa que publicamos artículos de noticias con fines informativos y no comerciales. Si usted es el propietario del artículo o informe y desea que se elimine, contáctenos a hello@landportal.info y eliminaremos la publicación de inmediato.



Varias noticias relacionadas con la gobernanza de la tierra se publican en el Land Portal cada día por los usuarios del Land Portal, de diversas fuentes, como organizaciones de noticias y otras instituciones e individuos, que representan una diversidad de posiciones en cada tema. El derecho de autor reside en la fuente del artículo; La Fundación Land Portal no tiene el derecho legal de editar o corregir el artículo, y la Fundación tampoco espalda sus contenidos. Para hacer correcciones o pedir permiso para volver a publicar u otro uso autorizado de este material, por favor comuníquese con el propietario de los derechos de autor.

Comparta esta página