Relatório denuncia aumento de expropriações de terras indígenas no Brasil | Land Portal
Balanço anual sobre a situação dos povos nativos em território brasileiro traça um retrato de uma realidade “extremamente perversa e preocupante”. Os autores do documento consideram que os indígenas e os seus territórios estão a ser usurpados
 
O novo relatório anual sobre a “Violência contra os povos indígenas do Brasil”, publicado esta semana pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI), faz um retrato de uma realidade “extremamente perversa e preocupante do Brasil indígena no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro na presidência do país”. Os dados referentes a 2019 denunciam a intensificação das expropriações de terras indígenas, a “explosão” de incêndios criminosos na Amazónia, e o aumento exponencial de casos de violência, relacionados com a posse das terras.
 
“Os povos e os seus territórios tradicionais estão a ser explicitamente usurpados”, concluem os autores do documento, apontando como exemplo os incêndios que têm devastado a Amazónia e o Cerrado, que muitas vezes resultam de queimadas que “são parte essencial de um esquema criminoso de grilagem, em que a ‘limpeza’ de extensas áreas de mata é feita para possibilitar a implantação de empreendimentos agropecuários”. De modo resumido, “os invasores desmatam, vendem as madeiras, pegam fogo à mata, iniciam as pastagens, cercam a área e, finalmente, com a área ‘limpa’, colocam gado e, posteriormente, plantam soja ou milho”.
 
Em termos concretos, o relatório especifica que, em 2019, houve o aumento de casos em 16 das 19 categorias de violência sistematizadas pelo estudo, destacando a intensificação de registos na categoria “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos e danos ao património” que, de 109 casos registados em 2018, saltou para 256 casos em 2019. Estes dados, segundo os investigadores, “explicitam uma tragédia sem precedentes no país: as terras indígenas estão a ser invadidas de modo ostensivo e pulverizado de norte a sul do país”.
 
O documento refere ainda que o aumento de casos quase duplicou, em comparação com 2018, em outras cinco categorias, como o caso dos “conflitos territoriais”, que passou de 11 para 35 casos em 2019; “ameaça de morte”, que passou de oito para 33; “ameaças várias”, que foi de 14 para 34 casos; “lesões corporais dolosas”, que quase triplicou o número de registos, de cinco para 13; e “mortes por falta de assistência”, que de um total de 11, em 2018, foi para 31 casos, em 2019.

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page