Gestão integrada une extrativistas e indígenas (Brasil) | Land Portal

Após três dias de discussões, seminário que teve presença do ICMBio e parceiros define plano de trabalho para povos da floresta na região sul-sudeste do Amazonas.

Brasília (07/04/2017) – O sul-sudeste do Amazonas, uma região magnífica, com natureza exuberante e grande diversidade social, que enfrenta várias ameaças (desmatamento, roubo de madeira, coleta ilegal de quelônios, pesca e garimpo irregulares), une de forma inovadora populações de extrativistas e povos indígenas e suas 15 organizações de base, instituições governamentais, como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Funai e o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e organizações da sociedade civil, por meio da gestão integrada.



Após três dias de intensos trabalhos e debates, participantes de seminário, em Lábrea (AM), envolvendo esses vários setores, concluiu, de forma positiva, a necessidade de elaboração de um plano para essa gestão integrada nessa região. O seminário representa uma última etapa em um esforço de capacitação para extrativistas, índios e servidores do ICMBio e da Funai, entre outros, que durou um ano.



Os povos das florestas e dos rios, as instituições públicas e a sociedade civil conseguiram com muito êxito criar um espaço de entendimento mútuo, desarmado, com a definição de propostas integradas. A expressão não é gratuita em uma região que há cerca de um ano viu confronto armado entre índios e extrativistas, com morte.



Implementação



As instituições saem do evento com a segurança de estar lidando com um caso concreto e bem sucedido até agora que merece ter igual êxito em sua implementação. Há também o entendimento de que a implementação desse plano, necessário, deve ser feita com participação indispensável dos povos indígenas e das populações tradicionais extrativistas e deve contar com a contribuição das organizações da sociedade civil.



“O plano aprovado, em si, não é revolucionário. Ele apresenta demandas e propostas de ações de mais e melhor fiscalização, continuidade da capacitação e melhor comunicação, fortalecimento da integração produtiva (coleta de castanha-da-Amazônia, manejo sustentável do pirarucu, manejo sustentável madeireiro sustentável etc.), participação mútua maior e melhor em colegiados, entre outras ações”, diz o diretor de Ações Socioambientais do ICMBio, Claudio Maretti, que representou o presidente do Instituto, Ricardo Soavinski, no evento.



Segundo ele, os participantes do seminário entendem que o que é novo é a forma pela qual foi possível o entendimento entre os diferentes atores sociais e a construção conjunta de propostas para o interesse coletivo. “Todos acreditam que isso é inovador, qualquer que seja o nome, e deve não só ser implementado, mas também suas lições aprendidas para casos que precisam de sinergia de interesses e ações ou resoluções de conflitos”.



Oficial



Para a secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, Juliana Simões, que representou o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, no evento, é muito positiva está oportunidade que o seminário, liderado pelo IEB, nos oferece de ouvirmos essas demandas e propostas legítimas dos povos indígenas e das populações tradicionais extrativistas. “Esperamos receber o plano para tornarmos oficial nossa reação a ele", disse



O coordenador geral de Gestão Ambiental, Fernando Vianna, também representando o diretor de Promoção do Desenvolvimento Sustentável da Funai, entende que esta é uma excelente oportunidade para implementar melhor a política de gestão ambiental e territorial das terras indígenas, inclusive no seu eixo 3, que lida com as interfaces territoriais entre terras indígenas e unidades de conservação.



"Precisamos ter condições de implementar as propostas, demandas e soluções para os casos de interfaces territoriais entre terras indígenas e unidades de conservação. Para isso precisamos continuar essas relações de boa qualidade e projetos que nos apóiem a todos", afirmou Cláudio Maretti, diretor do ICMBio.



Ações



Não só de conflitos e reuniões se faz esta região. Há mais de uma década que há o monitoramento de praias no rio Purus, na Reserva Extrativista (Resex) do Medio Purus, com estimativa de cerca de 5.000 tartarugas-da-Amazônia que sobem para desovar em uma estação, até 1.000 numa noite. A equipe do Parque Nacional dos Campos Amazônicos tem servido de "mediador entre os mundos" de atores sociais de interesses tão díspares como madeireiros, indígenas, mulheres, garimpeiros, jovens e pecuaristas, entre outros, pela importância da ação do seu conselho.



Algumas dessas unidades de conservação recebem apoio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), do governo brasileiro com vários parceiros. É provavelmente o maior e mais importante projeto de conservação "in situ".



Há uma importante produção de castanha-da-Amazônia e início de manejo sustentável de madeira na Reserva Extrativista de Ituxi e manejo de pirarucu em 20 lagos na Reserva Extrativista Médio Purus, que tem mais de 5.000 pessoas. Ambas tem projetos para melhoria da produção de castanha-da-Amazônia e para beneficiamento do pirarucu, com apoio do Fundo Amazônia, da Fundação Banco do Brasil, da cooperação Brasil--Estados-Unidos.



A Floresta Nacional de Humaitá desenvolveu capacitação para agricultura ecológica e açaí predominantemente para os índios da área. A Floresta Nacional Purus tem importante comunidade religiosa em seu interior. Há importantes informações preliminares sobre a recuperação da presença de animais ameaçados, como a onça-pintada.



Urgência



Mas há situações que precisam de atenção grande e urgente, como desmatamento, inclusive de castanhais, na área sul do entorno da Resex Ituxi, roubo de madeira no entorno do Parna Campos Amazônicos, captura ilegal de quelônios no rio Purus. A integração entre sociedade e governo deve melhorar o enfrentamento dessas irregularidades.



A inovação desta iniciativa, liderada pelo Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), mas só viável com a participação de todos, parte do entendimento, da colaboração de diversos atores sociais, do processo de baixo para cima e da postura de não só esperar soluções de entidades, mas de construir as soluções. Para Cloude Correa, do IEB, a grande expectativa da entidade é que se possa avançar na agenda de gestão integrada de terras indígenas em unidades de conservação no Sul do Amazonas.



Cláudio Maretti, diretor do ICMBio, entende que é preciso de inovação e melhoria também dentro de cada organização. “E precisamos ainda do envolvimento de parcelas maiores de diversos grupos sociais na conservação da natureza e defesa das populações tradicionais e povos indígenas”, acrescenta ele.



Diálogo



O diretor explica que o ICMBio tem, cada vez mais, procurado e atraído parceiros e o engajamento das comunidades locais, por meio dos brigadistas, com propostas de ampliação e maior perenização, com um programa de capacitação mútua de extrativistas e servidores do Instituto para construção de modelo de gestão de reservas extrativistas e similares, parcerias, concessões, entre outros acordos de gestão.



“Todos os parceiros acreditam que o plano é para ser implementado. Mas para ser sempre aprimorado, em diálogo e colaboração constante. E as lições devem ser levadas para outros lados”, finaliza Maretti.

 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page