Azerbaijão ataca sistema lançador de mísseis no território da Armênia | Land Portal
Movimento extrapola o território de Nagorno-Karabakh, onde os dois países estão em conflito armado, e acirra as tensões entre os dois lados.
 
O Azerbaijão afirmou nesta quarta-feira (14), que atacou um sistema de lançamento de mísseis da Armênia no território do país vizinho, alegando que ele seria usado para atacar alvos civis azeris.
 
As duas nações estão em conflito desde o fim de setembro por causa de Nagorno-Karabakh, uma região separatista que fica no Azerbaijão, mas é de maioria étnica armênia (veja mais abaixo).
 
De acordo com as autoridades armênias, o equipamento atingido estava em seu território, e não na zona de conflito de Nagorno-Karabakh.
 
Em um comunicado, o Ministério de Defesa da Armênia acusou o Azerbaijão de "aumentar a geografia do conflito, atacando o território soberano da Armênia". Os armênios afirmaram que consideram ter o direito de atacar tropas e objetos militares do país adversário.
 
A porta-voz do ministério, Shushan Stepanian, negou qualquer tentativa de ataque a áreas civis no Azerbaijão.
 
Foi o quinto dia consecutivo de conflitos após um cessar-fogo negociado na Rússia que, teoricamente, deveria ter entrado em vigor no sábado.
 
Oleodutos
 
Foto: Alexandre Mauro/G1
Mapa República de Nagorno-Karabakh — Foto: Alexandre Mauro/G1
 
O Azerbaijão ainda acusou a Armênia nesta quarta de tentar atacar seus oleodutos e gasodutos, alertando para uma reação "severa".
 
A Armênia reagiu dizendo que forças azeris querem assumir o controle de Nagorno-Karabakh e acusou o Azerbaijão e sua aliada Turquia de "agressão", apesar do acordo de cessar-fogo de sábado.
 
A retórica inflamada levou a Rússia a apelar novamente para que os dois lados cumpram a trégua humanitária. Mas Moscou e Ancara também trocaram acusações devido ao conflito, que já matou mais de 500 pessoas desde 27 de setembro.
 
São cada vez maiores os temores de que as duas potências regionais sejam arrastadas para o conflito sendo travado perto dos dutos azeris, que transportam petróleo e gás a mercados internacionais.
 
"A Armênia está tentando atacar e assumir o controle dos nossos dutos", disse o presidente azeri, Ilham Aliyev, em uma entrevista à emissora turca Haberturk.
 
"Se a Armênia tentar assumir o controle daqueles dutos, posso dizer que o desfecho será severo para eles."
 
O Ministério da Defesa do Azerbaijão disse, por sua vez, que destruirá todas as instalações militares da Armênia que visem localidades civis azeris.
 
Já o Ministério da Defesa armênio negou disparos contra alvos civis, mas disse que se reserva o direito de mirar qualquer instalação militar e combater movimentos no Azerbaijão.

 

Entenda o conflito
 
Nagorno-Karabakh é um território povoado principalmente por armênios. A região declarou independência do Azerbaijão pouco antes da queda da União Soviética. Esse movimento deflagrou uma guerra que causou 30 mil mortes e centenas de milhares de refugiados de ambos os lados na década de 1990.
 
Desde então, Baku acusa a Armênia de ocupar seu território e os confrontos armados são recorrentes.
 
Hostilidades atuais
 
As hostilidades em curso são as mais sérias desde 1994. Após quase 30 anos de impasse diplomático, o presidente do Azerbaijão, Ilham Alyev, prometeu retomar o controle deste território, inclusive à força, se necessário.
 
Os países se acusam mutuamente pelos conflitos deste ano, que já causaram mais de 600 mortes --o número real é maior; o Azerbaijão não informa baixas militares.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page