Replantação de áreas ardidas em Monchique promete maior resiliência ao fogo | Land Portal
Author(s): 
Lusa
Language of the news reported: 
Portuguese
O projeto Renature Monchique está a replantar as áreas ardidas no verão de 2018 na serra de Monchique, no Algarve, em parceria com proprietários e entidades, implementando um regime de mosaico que procura criar maior resiliência ao fogo.
 
O projeto, da responsabilidade do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), uma organização não-governamental na área do ambiente, foi lançado menos de um ano depois do grande incêndio de agosto de 2018, em maio de 2019 e vai agora no segundo ciclo de reflorestação.
 
Num investimento anual de 250 mil euros, o objetivo é plantar 75 mil árvores a cada ciclo, numa área de intervenção de 250 hectares, tendo já sido colocadas na terra, até ao momento, 95 mil árvores, na sua maioria medronheiros e sobreiros, mas também amieiros, freixos, castanheiros e carvalhos de Monchique, disse à Lusa o responsável pelo projeto.
 
É numa colina junto à ribeira de Odelouca, a cerca de dois quilómetros da barragem de onde o pequeno riacho volta a serpentear, que a Lusa encontra uma das equipas que concretiza no terreno o que foi planeado durante cinco meses.
 
De maio a setembro é promovida uma campanha de comunicação para “angariar proprietários que queiram ver os seus terrenos replantados”, à qual se segue a visita ao terreno para “ver as suas potencialidades”, revela o coordenador do projeto.
 
Segundo Miguel Jerónimo, o objetivo final do projeto é “criar uma paisagem mais resiliente ao fogo”, usando o sistema de mosaico, que aposta numa mistura de espécies “sem uma monocultura predominante” numa vasta área.
 
Este é um modelo que se apoia na normal sucessão da paisagem – utilizando espécies autóctones de forma alternada, que se associam e interligam -, baseado no “conhecimento que se foi desenvolvendo e que existe hoje em dia”, explicou.
 
Numa área “muito fustigada” pelos incêndios – o de 2018 consumiu mais de 27 mil hectares de floresta e foi considerado o maior do ano na Europa – procura-se diminuir a “rapidez da progressão do fogo”, com uma intervenção que o coordenador classifica como uma “conversa tranquila com a natureza”.
 
A diversidade vegetal é garantida com a plantação de amieiros e freixos nas “zonas de linhas de água”, do castanheiro, junto à Fóia, ou do carvalho de Monchique, “uma espécie emblemática que em Portugal apenas ocorre nesta zona da serra algarvia”, nota o arquiteto paisagista.
 
“As condições biogeográficas de exceção que existem em Monchique funcionam como um pulmão verde do Algarve, que torna esta área um refúgio climático, não só para a flora e para a fauna, mas também para as atividades humanas que resultam desta paisagem”, destaca.
 
No combate aos incêndios, Miguel Jerónimo destaca que para que exista verdadeiramente um impacto” é necessário “trabalhar em conjunto”, não estar “cada um a falar sozinho” e “gerar uma economia rural”.
 
“Antigamente toda a paisagem era gerida e tinha utilidade. Não é voltar aos anos 40 e 50, mas sim investir em agentes no uso de solo, como a produção de medronho e cortiça, que têm o potencial de acrescentar bastante à economia e de criar postos de trabalho. Depois é um bola de neve”, sublinha.
 
O coordenador do projeto defende que a monocultura do eucalipto “também tem de ter o seu espaço”, mas a área tem de ser “o mais bem ordenada possível” e a sua seleção bem feita “para que gere o menor impacto no mosaico da paisagem”.
 
Dessa forma, considera ser “compatível” a produção de medronheiro e sobreiro com o turismo de natureza, o turismo rural e a produção de papel, ligada à cultura do eucalipto.
 
É a três quilómetros a norte da vila de Monchique, junto à aldeia das Corchas, no distrito de Faro, que outra equipa prepara o terreno e numa zona acessível apenas num carro todo-o-terreno, planta sobreiros, azinheiros e medronheiros.
 
É num momento de pausa que o encarregado da equipa, Guilherme Weishar, descreve à Lusa o seu trabalho como “gratificante” mas “duro”, revelando compreender a razão que levou ao abandono da terra.
 
“A maior parte da minha geração não tem interesse por este trabalho duro. Somos educados para pensar que este trabalho rural é para uma classe mais baixa e que devemos procurar engenharia e ciências. Recentemente estou a ver um movimento contrário, com cada mais jovens da minha idade a voltarem par ao campo. Está a ser muito bonito de ver”, afirma.
 
Para o jovem, plantar árvores é “um grande empurrão à sucessão ecológica”, sendo um “bom primeiro passo” na tentativa de uma “restauração do ecossistema”, mas realça que é importante realizar outras intervenções, nomeadamente para “melhorar o ciclo da água” e a sua retenção nos solos.
 
Ainda mais a norte, na zona da Perna da Negra, junto à fronteira entre o Algarve e o Alentejo onde teve início o grande incêndio que lavrou durante uma semana, Pedro Duarte conta à Lusa que aderiu ao projeto por considerá-lo uma mais valia.
 
“Manifestei o interesse em participar por não ter qualquer custo e ser uma iniciativa que só traz mais-valias aos produtores, porque é uma boa ajuda, já que vem plantar medronheiros, que é o nós precisamos cada vez mais”, revela o produtor de medronho.
 
Os medronheiros que tinha já não eram suficientes para as suas necessidades, mas o fogo de 2018 queimou uma parte e a restante ainda demora a voltar a produzir. Assim, via-se obrigado a adquirir medronhos a outros produtores e sujeitar-se “ao aumento da procura” e às leis do mercado.
 
A plantação feita este ano nos seus seis hectares ainda vai demorar a produzir e o sucesso “não está garantido”, mas Pedro mantém a esperança que “uma boa percentagem” dos arbustos “se vai aguentar” e contribuir para o aumento da produção.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page