Projeto documenta a agro-resistência na Palestina contra ocupação e colonização israelense | Land Portal
Uma biblioteca sobre sementes crioulas para ajudar os agricultores a preservar a biodiversidade e a recuperar sua autonomia na produção de alimentos saudáveis. Um fazendeiro palestino que luta para praticar permacultura em uma área controlada por Israel, onde ele não pode comprar água. Uma mulher cultivando plantas silvestres e verduras na laje em um campo de refugiados lotado, para aumentar a segurança alimentar e servir alimentos frescos para sua família. Um grupo de quatro ativistas criou o projeto Baladi – Rooted Resistance para dar visibilidade a essas e outras histórias de palestinos resistindo à colonização e ocupação israelense por meio de práticas agroecológicas. A iniciativa é da chef vegana brasileira e ativista de direitos humanos e animais, Sandra Guimarães, da fotojornalista francesa Anne Paq, do fotojornalista britânico Craig Redmond e do fotojornalista e documentarista palestino Ahmad Al-Bazz. As histórias de agro-resistência na Palestina serão contadas por meio de textos, fotos e vídeos.
 
“Esse é um tipo de resistência da qual ainda se fala pouco na mídia. Na Palestina esse movimento está crescendo e achamos extremamente importante falar dele. “Baladi” é o equivalente em árabe pra “orgânico” e “Rooted Resistance” significa “resistência enraizada”. É um projeto multimídia, com vídeos, fotos e artigos e pretendemos compartilhar um pouco pelo nosso site e também pelo Instagram e Facebook. Por enquanto está tudo em Inglês, mas estamos na batalha por financiamento e esperamos no futuro poder traduzir pra mais línguas”, conta Sandra Guimarães.
 
Endereços do projeto:
Site do Baladi – Rooted Resistance
Rooted Resistance no Facebook
No Instagram – @baladirootedresistance
 
 
Ocupação e colonização
 
O processo de ocupação e colonização do território palestino restringe o acesso à terra e à água, tornando muito difícil a prática da agricultura. O projeto Baladi – Rooted Resistance pretende documentar e divulgar as formas criativas de resistência que os palestinos desenvolvem para tentar superar essas restrições. A ideia de criar um projeto para documentar a agro-resistência na Palestina foi inspirada pelo testemunho de Islam, uma mulher da terceira geração de refugiados, sobre a dificuldade que tinha para usar as ervas que crescem na Palestina. “A salsa era muito cara. Você acredita que eu não posso pagar as ervas que crescem na minha terra?” – disse ela. “Uma mulher refugiada, proibida de voltar para a aldeia de sua família, tentando se conectar com sua terra ancestral perdida, por meio da comida que cresce lá, mas incapaz de fazê-lo porque ela não podia pagar um monte de salsa”, relata o site do projeto, que se propõe, por meio da documentação deste cenário, refletir sobre duas questões centrais, entre outras:
 
Quais são os impactos do colonialismo do século XXI na cultura alimentar e na paisagem dos colonizados? Como as pessoas podem preservar suas tradições agrícolas e culinárias quando ameaçadas por uma ocupação militar de cinco décadas e por um modelo de agronegócio neoliberal que uniu forças para arrancar as pessoas de suas terras e apagar sua identidade?
 
Baladi – Rooted Resistance
Palestinos têm problemas para acessar suas terras devido a bloqueios e autorizações extremamente restritivas. (Foto: Baladi – Rooted Resistance)
 
As crescentes restrições de acesso à terra
 
A perda de terras, assinala, começou em 1948, quando 78% da Palestina histórica se tornou o Estado de Israel. “Os 22% restantes são chamados de “territórios palestinos ocupados”, separados na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza; todos sob ocupação militar israelense desde 1967. Desde então, a ocupação de terras continuou inabalável. As colônias israelenses na Cisjordânia, ilegais sob a lei internacional, cercaram ou destinaram para essa finalidade cerca de 42% das terras palestinas. Estima-se que 600.000 colonos israelenses vivem hoje na Cisjordânia e Jerusalém Oriental”.
 
Muitos agricultores palestinos, afirmam ainda os criadores do projeto, têm problemas para acessar suas terras devido a autorizações extremamente restritivas. “Em Gaza, a ‘zona de segurança’ imposta por Israel ocupa 35% das terras agrícolas. As restrições israelenses a agricultura custam à economia palestina US $ 2,2 bilhões a cada ano”. Essas restrições não se limitam ao tema do acesso à terra, envolvendo o tipo de agricultura praticado: “A ocupação israelense está mudando as práticas agrícolas tradicionais: com terras e recursos hídricos sendo tomados por colônias ilegais, o Muro de Israel e postos de controle, agricultores palestinos são empurrados para sementes monocultoras e comerciais, com dependência de fertilizantes e agrotóxicos, para obter maior produtividade com menos terra”.
 
“Não vivemos apenas uma ocupação militar na Palestina, mas também um sistema político e econômico que está nos levando a ser escravos de empresas de agronegócios, de multinacionais que querem despejar sua terrível comida sobre nós”, diz Vivien Sansour, criadora de uma biblioteca sobre sementes nativas em Beit Sahour, Belém. Segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, cerca de 1,6 milhão de palestinos (31,5% da população) vivem em situação de insegurança alimentar. “Ao mesmo tempo, o mercado palestino está sendo inundado com produtos israelenses cheios de óleo vegetal barato e açúcar, e essa mudança na dieta está afetando seriamente a saúde da população”, diz ainda o projeto Rooted Resistance.
 
Baladi – Rooted Resistance
Moradora no campo de refugiados de Dheisheh, que decidiu cultivar o máximo de hortaliças que pudesse na laje da casa onde mora. (Foto: Baladi – Rooted Resistance)
 
Controle e restrição do acesso à água
 
O acesso à água é outro grande obstáculo para os agricultores palestinos, assinala os ativistas. Embora a Cisjordânia esteja situada sobre um grande aqüífero, as fontes de água são controladas por Israel. Mas as limitações são ainda maiores, relatam:
 
“Os palestinos também têm acesso negado ao rio Jordão e enfrentam severas limitações no desenvolvimento de suas próprias infraestruturas devido aos restritivos sistemas de permissões israelenses. Em algumas áreas, especialmente na área C (que está sob controle total das autoridades israelenses), 180 comunidades palestinas nem sequer estão conectadas à rede de água. Eles devem, portanto, contar com empresas privadas, sendo a principal a companhia de água israelense Mekorot, que vende água a preços muito inflacionados em comparação com os cobrados dos colonos israelenses. A quantidade de água fornecida às comunidades palestinas é até mesmo restrita às vezes. As colônias israelenses ilegais usam cinco vezes mais água do que os palestinos da Cisjordânia (que têm apenas 73% da exigência mínima diária de água, de acordo com a orientação da Organização Mundial da Saúde)”.
 
Baladi – Rooted Resistance
Palestina criou biblioteca para preservar conhecimento sobre sementes nativas da região (Foto: Baladi – Rooted Resistance)
 
Histórias de resistência
 
Entre as primeiras histórias de resistência que o projeto começou a documentar e contar, está a de um proprietário de restaurante e de um agricultor que lutam para praticar a permacultura em uma área controlada por Israel, onde a água é proibitivamente cara. Outra é a iniciativa de Draguitsa Alafandi, moradora no campo de refugiados de Dheisheh, que decidiu cultivar o máximo de hortaliças que pudesse na laje da casa onde mora para aumentar a segurança alimentar e a qualidade da comida para sua família. “É muito terapêutico, apenas olhar para as plantas e ver como elas estão crescendo. Também é bom ter algo para colocar na mesa, mesmo que seja apenas um pouco de hortelã na sua salada. É muito bonito ter algo que você foi capaz de criar sozinho, foi capaz de plantá-lo e vê-lo crescer e cuidar dele”, conta.
 
O projeto também registra o trabalho de Vivienne Sansour que decidiu criar um banco de informações e conhecimentos sobre sementes nativas para protegê-las da extinção e preservar a biodiversidade contra o modelo das grandes empresas multinacionais de sementes que pretendem substituir essa biodiversidade e o conhecimento tradicional associado a ela pelo monopólio na produção e comercialização de sementes.

Compartilhe esta página

Copyright © Source (acima referido). O Land Portal distribui alguns materiais sem a permissão do detentor dos direitos autorais com base na doutrina do "uso justo" dos direitos de autor, o que significa que publica artigos de notícias para fins informativos não-comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele seja removido, por favor contacte-nos em hello@landportal.info e iremos remover a publicação imediatamente.

Vários itens de notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos utilizadores do Land Portal, a partir de várias fontes, tais como organizações noticiosas e outras instituições e indivíduos, o que representa uma diversidade de posições sobre cada tópico. O autor é identificado com a fonte do artigo; A Fundação Land Portal não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem a Fundação endossa o seu conteúdo. Para fazer correções ou pedir permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, por favor entre em contato com o titular dos direitos de autor.