Em África, parceiros veem avanço da Grande Muralha Verde com 8.000 km de árvores BR | Land Portal
Maior estrutura viva do planeta é analisada em novo relatório da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima; projeto com meta de facilitar absorção de 250 milhões de toneladas de carbono está em curso há 13 anos.
 
Milhões de hectares de terra restaurados, novos empregos e avanço de uma das maiores áreas verdes do mundo são destaques do relatório A Grande Muralha Verde: Status de Implementação e Caminho em Direção a 2030.
 
O documento será lançado esta segunda-feira em evento virtual apoiado pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, Unfccc. Entre as dezenas de participantes estarão a vice-secretária-geral das Nações Unidas, Amina Mohammed, e ministros africanos. 
 
©FAO/Giulio Napolitano
No Níger, 5 milhões de hectares de terra recuperados agora produzem 500 mil toneladas de grãos por ano., by ©FAO/Giulio Napolitano
 
Deserto
 
O estudo mede a implementação da iniciativa mais ambiciosa ao longo do extremo sul do deserto do Saara cobrindo 11 nações na África: Burkina Faso, Chade, Djibuti, Eritreia, Etiópia, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria, Senegal e Sudão.
 
Lançada pela União Africana, a Grande Muralha Verde envolve árvores, pastagens, vegetação e plantas. A área compreende 8.000 km de comprimento e 15 km de largura.
 
A iniciativa implementada desde 2007 quer restaurar terras degradadas em favor de milhões de habitantes da região. As áreas que devem merecer atenção são produção alimentar, criação de empregos e promoção da paz.
 
A Unfccc destaca que a Grande Muralha Verde simboliza a esperança do continente que sofre com a desertificação, ao restaurar 100 milhões de hectares de terra.
 
Empregos
 

Com a restauração ambiental foram recuperados 15 milhões de hectares de terras degradadas na Etiópia. Outros cerca de 5 milhões hectares na Nigéria e 2 mil hectares no Sudão.

O Senegal destaca-se em relação ao total de árvores plantadas com 11,4 milhões. Já nações como  Burkina Faso, Mali, Níger apoiaram o cinturão verde envolvendo cerca de 120 comunidades.

Expectativa

Em território nigerino também foram criados mais de 2,5 mil hectares de terras áridas e degradadas. Mais de 2 milhões de sementes e mudas foram plantadas a partir de 50 espécies de árvores nativas.

A expectativa é que depois de concluída, a Grande Muralha Verde seja a maior estrutura viva do planeta, três vezes o tamanho da Grande Barreira de Corais.

A Irlanda é um maiores financiadores de parceria que envolve a União Africana, a Agência Pan-Africana da Grande Muralha Verde e outros parceiros internacionais.

Além disso, estima-se que até 2030 sejam absorvidas 250 milhões de toneladas de carbono e criados cerca de 10 milhões de empregos verdes.
 
Treze anos depois de iniciar, o cenário coberto pela Grande Muralha Verde é “de paisagens degradadas recuperadas em dimensão sem precedentes”.  No local a iniciativa está  “proporcionando segurança alimentar, empregos e uma razão para ficar para milhões de pessoas que vivem ao longo de seu caminho.”
 
NASA
Planeta terra visto do espaço. Até 2030 Grande Muralha Verde deve absorver 250 milhões de toneladas de carbono.

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página