Recapitulação de evento: Integrando os direitos à terra de população rural em situação de pobreza na agenda climática | Land Portal

O evento "Integrando os direitos à terra de população rural em situação de pobreza na agenda climática" foi realizado em 6 de junho de 2023 e contou com três palestrantes. O evento foi organizado por um consórcio de organizações, incluindo a Fundação Land Portal, o Fórum Global de Pesquisa e Inovação Agrícola (GFAR), a Coalizão de ONGs Asiáticas (ANGOC) e Jovens Profissionais para o Desenvolvimento Agrícola (YPARD).

A sessão foi organizada porque há pouca conscientização e pouca reflexão em políticas adequadas sobre a ligação entre os direitos de posse da terra, a resistência aos desastres da mudança climática e a adaptação e mitigação da mudança climática. O evento também foi organizado em torno de três perspectivas principais: a perspectiva da sociedade civil, dos dados e dos(as) jovens.

Valeria Pesce - GFAR e Genna Tesdall - YPARD moderaram o painel, que contou com os(as) seguintes palestrantes:

  • Don Nathaniel Marquez, ANGOC
  • Romy Sato, Land Portal
  • Gcina Dlamini, YPARD

Veja uma breve recapitulação de algumas das três principais perspectivas e assista ao replay na parte inferior para assistir à conversa completa e cativante.


  • O que pensam e quais são as perspectivas das organizações da sociedade civil da Ásia que trabalham com direitos à terra, segurança alimentar e agricultura sustentável sobre o tema desse evento paralelo?

Don Nathaniel Marquez: Muitos(as) dos(as) mais pobres do mundo que dependem da terra para sua subsistência estão na Ásia, portanto, os direitos à terra são fundamentais para reduzir a pobreza e a fome em nossa região.  Ao mesmo tempo, a Ásia é a região mais propensa a desastres naturais e, embora a mudança climática afete a todos(as), aqueles(as) que são pobres e não têm direitos de posse da terra são os(as) mais vulneráveis aos efeitos da mudança climática. Ainda há uma lacuna na literatura no que diz respeito à compreensão dos vínculos entre a posse da terra e a literatura atual se concentra nos impactos macro e físicos da mudança climática, em vez de prestar atenção aos impactos sociais da mudança climática sob a perspectiva das pessoas pobres.  Isso afeta seu acesso aos meios de subsistência, às relações sociais e à segurança da posse da terra.  Em 2020, a ANGOC e sete de nossos parceiros na Ásia prepararam um documento de discussão sobre esse tópico. Deveríamos desenvolver uma melhor apreciação das questões de posse da terra nas discussões sobre mudanças climáticas; necessidade de governança inclusiva para reformular o discurso político sobre mudanças climáticas; abordar a posse da terra em desastres naturais e garantir e envolver a participação das partes interessadas no discurso sobre mudanças climáticas.

 

  • Qual é a importância da governança de dados para aprimorar o nexo terra-clima?

Romy Sato: Podemos fazer as conexões entre a grande quantidade de dados que temos e as metas de desenvolvimento? Essa é a estrutura e o contexto em que o Land Portal está trabalhando e pressionando pelo direito à terra.  Se olharmos para o setor fundiário, veremos que temos informações demais e de menos.  Por um lado, há muitas informações que estão dispersas, mas também são de baixa qualidade e, muitas vezes, inacessíveis.  Atualmente, em nossa sociedade, dados são poder e terra também é poder para muitas comunidades.  Se observarmos o setor de mudanças climáticas, diferentemente do setor de terras, há muitos portais de conhecimento.  Mas, mesmo nesse espaço, os dados disponíveis não são totalmente aproveitados e muitos, como os(as) ministros(as), talvez não percebam a importância dos dados para o enfrentamento da crise climática e os mantenham apenas para uso interno. Esse é o mesmo problema que temos no setor de terras.  A conclusão que chegamos com isso é que os dados são mais valiosos quando são entregues às pessoas certas no contexto certo.

 

  • Qual é o papel dos(as) jovens no que diz respeito ao acesso à terra e às mudanças climáticas? Você acha que as políticas atuais são adequadas?

Gcina Dlamini: Ter acesso a dados é extremamente importante porque, por meio deles, podemos saber onde está a terra, quem é o proprietário da terra e quem está fazendo o quê, para que possamos ver como podemos governar melhor.  Precisamos de dados de livre acesso para que possamos planejar projetos que ajudarão os(as) jovens e as mulheres. Quando entendemos os(as) jovens, entendemos que eles e elas estão fugindo do trabalho manual e do solo. Estão gostando da tecnologia e da agricultura vertical, e os dados e a tecnologia ajudarão a traçar o perfil dos(as) jovens que estão cultivando, para que sejam vinculados à terra disponível.

 

Ouça para saber mais...​

 

 

 

Related content: 
Event
6 Junho 2023
Global
Organizers: 
The Global Forum on Agricultural Research and Innovation
Asian NGO Coalition (ANGOC)
Land Portal Foundation
Young Professionals for Agricultural Development

The aim of this event is increasing public understanding of the links between climate change, disasters, and land tenure rights, and bringing land tenure issues in the climate change discourse, listening particularly to the voices of civil society and youth. The discussion is also expected to bring forth some ideas for action both for the new GFAR Collective Action on land tenure and climate change, and for policy makers.    

Compartilhe esta página