Passar para o conteúdo principal

page search

News & Events A ligação entre microfinanças e perda de terras: Boletim de informações sobre países #4 - Fevereiro 2022
A ligação entre microfinanças e perda de terras: Boletim de informações sobre países #4 - Fevereiro 2022
A ligação entre microfinanças e perda de terras: Boletim de informações sobre países #4 - Fevereiro 2022
Daniel Hayward


O assunto deste trabalho tem sido motivo de controvérsia há algum tempo. Fui informado pela primeira vez sobre o tema das microfinanças em relação à perda de terras há quase dois anos, através de uma apresentação de um estudante na Universidade Chiang Mai, no Camboja.



Desde então, vários artigos têm sido publicados com foco neste país, e nosso relatório apresenta análises de casos importantes de comunidades afetadas pela dívida. Meu primeiro pensamento foi comparar a situação no Camboja com a de outros países do sudeste asiático continental. No entanto, há uma escassez de novas pesquisas de qualidade para destacar, e não houve tempo para obter e estabelecer entrevistas com profissionais regionais em microfinanças. (Como observação, uma pesquisa posterior será necessária para explorar por que há tão poucos relatórios regionais e se o Camboja é realmente um caso excepcional).


Como resultado, extendi minha rede de pesquisa e encontrei estudos comparáveis fascinantes do Timor-Leste e da Guatemala. Os três países são estados pós-conflito, onde a paz foi seguida por significativas injeções de capital das Instituições Financeiras Internacionais (IFIs - sigla em inglês) para a reforma econômica. Neste contexto, as IFIs percebem que as microfinanças não apenas criam empregos e reduzem a pobreza, mas podem ajudar a quebrar um ciclo de violência. Entretanto, ficará claro nos três artigos que as microfinanças podem não ser a solução ideal para ajudar os pobres a sair de situações de precariedade. De fato, pode resultar no aumento do peso da dívida, da desigualdade social e de gênero. Todos os três países permitem que a terra seja usada como garantia em empréstimos, levando ao risco de venda desesperada ou desapropriação caso o beneficiário do empréstimo lute com os reembolsos.


Para definir o cenário, uma de nossas autoras, a Dra. Melissa Frances Johnston, cita Lamia Karim, que define microfinanças como "serviços financeiros que utilizam pequenas quantias de dinheiro, destinados aos pobres, para permitir o investimento em atividades produtivas existentes ou novas para gerar renda, empregar membros da família e suavizar choques econômicos".


Existem formas de crédito que se encaixam nesta descrição há séculos. Entretanto, a repetição moderna tem suas raízes nos anos 70 através do Grameen Bank em Bangladesh, criado pelo pioneiro Muhammad Yunus. Inspirado pelos sucessos iniciais, o microfinanciamento tem sido promovido como um meio de aliviar a pobreza, particularmente em sua capacidade de alcançar mulheres pobres. No entanto, permanece uma tensão sobre se as microfinanças devem se adequar ao mundo mais amplo do financiamento, impulsionado pela máxima neoliberal de geração de lucro, ou que é uma forma de bem-estar para melhorar a posição dos mais pobres.

 



Cadastre-se aqui para receber este resumo em sua caixa de correio 




 


Direito para o alívio: Falas de comunidades endividadas


Pela Liga Cambojana para a Promoção e Defesa dos Direitos Humanos (LICADHO) e Camboja Equitable, junho de 2021

 


Este novo relatório apresenta as histórias e vozes de 14 comunidades cambojanas que sofreram dívidas nas mãos de empréstimos de microfinanças. É baseado em pesquisas lideradas pela Liga Cambojana para a Promoção e Defesa dos Direitos Humanos (LICADHO) e pela Equitable Cambodia, duas importantes ONGs que defendem os direitos humanos no Camboja, e cujo trabalho está freqüentemente ligado aos conflitos por terra no país. O relatório também é apresentado como um website, onde o espectador(a) pode navegar pelas diferentes histórias das comunidades através de um mapa.


O relatório afirma que as e os cambojanos receberam US$ 11,8 milhões em microcréditos, tanto de instituições microfinanceiras (IMFs) quanto de bancos. Um título de terra é comumente usado como garantia para um empréstimo. No final de 2020, o empréstimo médio era de US$ 4.280, um montante que excede a renda anual de 95% das e dos cambojanos.



No entanto, apesar de representar a maior indústria de microfinanças do mundo, há muito pouca proteção ao cliente no Camboja, e o relatório pede uma reforma radical para o setor. A situação dos loanees endividados contrasta com os lucros registrados para bancos e IMFs durante a pandemia da COVID.


As 14 comunidades destacadas neste relatório estão localizadas em oito províncias ao redor do país. Elas já estiveram envolvidas em uma variedade de disputas de terra durante vários anos (o motivo pelo qual são conhecidas da LICADHO e da Equitable Cambodja), por isso é desconcertante ver como o sistema microfinanceiro está provando ser uma nova ameaça para seus títulos de terra arduamente conquistados e sua subsistência de modo geral. Foram realizadas discussões em grupos focais em cada comunidade, seguidas de entrevistas individuais com 1-4 membros. As perspectivas foram reunidas sob tópicos, incluindo:


  • Motivos do empréstimo
  • Comportamento antiético dos oficiais de crédito
  • Consequências negativas da dívida de microempréstimos
  • Impacto emocional
  • Efeitos da COVID-19

As respostas para cada tópico foram categorizadas considerando a sua abrangência (mencionadas por 10-14 comunidades), a sua existência comum (5-9 comunidades) e a sua incomum (2-4 comunidades). Por exemplo, no tópico "motivos de empréstimo", o pagamento de outras dívidas foi mencionado por 13 comunidades, um fato importante que aprecia como os microcréditos se misturam com outras formas de empréstimo. Enquanto isso, 13 comunidades mencionaram a venda de terras como uma "conseqüência negativa da dívida de microempréstimos", e os oficiais de crédito pressionaram a venda de terras em 9 comunidades.


O relatório também reconhece o papel das autoridades locais (freqüentemente chefes de vilas e comunas) que são signatários dos acordos de empréstimo de terras como garantia. Em vez de apoiar sua comunidade, há muitos casos em que essas autoridades participam da pressurização de mutuários para pagar dívidas, um serviço pago por agentes de crédito. Em alguns casos, os funcionários estão ativamente envolvidos na promoção de empréstimos, ou oferecem seus próprios empréstimos informais para pagar as dívidas.



Vale bem a pena acompanhar a história de cada comunidade. Entretanto, por uma questão de brevidade neste resumo, eu gostaria de refletir sobre dois exemplos:

 


Comunidade de Pailin Land, província de Paili



Declarações da Comunidade Pailin Land


“Eles vieram com dois ou três funcionários e me ameaçaram, 'Tia! Se você não puder ganhar dinheiro para pagar, eu vou lhe chamar para se encontrar com o chefe da aldeia e da comuna’”


“Se não vendêssemos nossa casa para pagar-lhes, eles teriam vindo todos os dias. Teríamos ficado tão envergonhados.”

Tradicionalmente uma comunidade agrícola, muitos membros migraram para trabalhar na Tailândia ou em fábricas de roupas dentro do Camboja. Uma reclamação para aquisição de suas terras foi feita primeiramente por um funcionário do governo, antes que a perda real ocorresse através de reclamações de um governador provincial e sua esposa. Após protestos e petições, algumas famílias receberam terras tituladas em compensação. Agora 97% das famílias da comunidade têm dívidas de microfinanças, e 60% venderam terras para financiar os reembolsos. Mesmo quando uma dívida era paga, os oficiais de crédito podiam reter um título de terra até dois meses antes de ser devolvida. Muitos membros da comunidade migraram para poder trabalhar, incluindo crianças, enquanto um membro entrou no trabalho sexual para pagar as contas.

 


Talao e Inn, província de Ratanakiri



Declarações deTalao e Inn


"Às vezes, quando a data de vencimento do reembolso se aproxima, pedimos dinheiro emprestado a um credor privado para reembolsar a IFM, e depois pedimos dinheiro emprestado à IFM para reembolsar o credor privado".


"Se as pessoas têm vacas e búfalos de água para vender, podem manter suas terras. Se não tiverem, a terra deles ira desaparecer"

 

Estas duas comunidades indígenas agrícolas perderam anteriormente terras para uma concessão de borracha dirigida pelo grupo vietnamita Hoang Anh Gia Lai (HAGL). Algumas famílias acabaram recebendo terras como compensação, embora muitas ainda careçam de títulos formais. Cerca de 90% das famílias contraíram empréstimos junto às IMFs, utilizando (quando possível) a terra como garantia. Embora muitas famílias tenham conseguido pagar os empréstimos a tempo, 9 famílias venderam terras e a imposição para fazê-lo continua por parte dos oficiais de crédito. Por exemplo, eles ameaçaram colocar sinais de " à venda" na frente das casas dos devedores que estão atrasados com os pagamentos. Provocar vergonha é altamente significativo, e alguns aldeões(ãs) foram forçados a fugir da vergonha de vender terras, ou devido à pressão dos oficiais de crédito.

 


Leia o relatório completo


Crédito fotográfico: Jan Chipchase, Banco Mundial, licença CC BY-SA 3.0 


 


     



 


Finanças de fronteira: o papel das microfinanças na dívida e na violência no pós-conflito de Timor-Leste


Pela Dra. Melissa Frances Johnston, abril de 2020


 


Com base em 11 meses de trabalho de campo etnográfico, principalmente a partir de 2015, o estudo se concentra na relação entre microfinanciamento e endividamento, onde reforça hierarquias baseadas em classe e gênero, em vez de proporcionar uma saída da pobreza. Evidentemente, a terra recebe menos atenção na análise. No entanto, vale a pena trabalhar com o artigo em seus próprios termos, sendo o caso altamente instrutivo no potencial das microfinanças para contribuir para o endividamento em vez de melhorar a subsistência das mulheres pobres. Para aqueles que procuram maiores detalhes históricos sobre o Timor-Leste, e uma análise extensiva do sistema de terras, recomendo consultar o excelente perfil escrito recentemente pela minha colega Anne Hennings (que de fato também é autora de um perfil sobre o Camboja).

 



 Há evidências de empréstimos do tipo microcrédito para cooperativas no periodo colonial e post-independência na Indonésia como no Timor Leste. Uma vez que o Timor-Leste ganhou reconhecimento como Estado soberano em 2002, após mais de 30 anos de conflito entre grupos separatistas e militares indonésios, o microfinanciamento foi promovido pelas Instituições Financeiras Internacionais (IFIs), como o Banco Mundial e o Banco Asiático de Desenvolvimento, como um pilar fundamental da reforma econômica. Um esquema inicial do Banco Mundial foi considerado um fracasso, com viúvas de guerra que não cumpriam seus empréstimos sob o peso de uma frágil economia pós-conflito. Os esquemas de microfinanciamento foram então colocados sob o controle do Estado, com financiamento e apoio regulatório das IFIs. O setor foi ainda mais consolidado através da promoção de grupos locais de auto-ajuda, que gerenciariam insumos financeiros, taxas de juros e retornos, independentemente das instituições formais.


Johnston contrasta o papel visível das IFIs contra o papel predominantemente invisível dos lares e grupos de parentesco como sujeitos e agentes econômicos. As microfinanças entram nas relações de classe existentes com, por um lado, elites aristocráticas agindo como emprestadores e, por outro, agricultores(as) da classe trabalhadora descendentes de escravos como emprestadores(as). O aumento da dívida através do microfinanciamento contribui para um controle da elite sobre a terra e o trabalho. Há aqui um foco especial nas relações de gênero e como o microfinanciamento é usado para re-servir a dívida de noivado, exacerbando um sistema já explorador. Embora as organizações de microfinanças afirmem que os empréstimos só podem ser usados para atividades empresariais por mulheres, a autora afirma que as elites da aldeia de linhagem superior estão administrando negócios de empréstimo de dinheiro financiados em parte por microfinanças estatais através de grupos locais de auto-ajuda. Por exemplo, são apresentadas evidências de um grupo de auto-ajuda onde a tesoureira e a presidente estavam acumulando lucros, desconhecidos dos outros membros. Os empréstimos de microfinanças eram emprestados e depois emprestados a outros a taxas de juros mais altas, inclusive para aqueles fora do grupo, uma prática comumente encontrada no Timor-Leste.


Há uma clara sobreposição entre microfinanças e outras formas de empréstimo de dinheiro, colocando as pessoas de baixa linhagem em um ciclo de endividamento. A venda de terras, moradias e outras posses também são observadas como conseqüências. Mesmo que o foco na terra seja mínimo aqui, e mereça um exame mais atento, o estudo confirma como a terra fica presa ao superendividamento.

 


Leia o relatório completo


Crédito fotográfico: Mulheres do Timor-Leste, por Josh Estey / CARE,  licença CC BY 2.0 


 


     



 


"Por que haveria alguém de sair?": Desenvolvimento, superendividamento e migração na Guatemala


Por Lauren Heidbrink, Giovanni Batz, e Celeste Sánchez, novembro de 2021

 



Para o artigo final deste boletim, viajamos ao redor do mundo para Almonga, uma cidade no sul da Guatemala. A cidade é predominantemente formada por pessoas do grupo indígena Maya-K'iche'. Ela é promovida como um local de migração interna, onde a produção agrícola é orientada para uma estratégia nacional de exportação. No entanto, continua havendo uma significativa emigração para os EUA. O artigo, assim como os outros estudos deste boletim, questiona a noção de microfinanças de apoio à população rural pobre, minorias étnicas e mulheres, afirmando, ao invés disso, que ela reforça as desigualdades existentes, entrando em conflito ainda mais com os entendimentos locais de desenvolvimento.


Após o fim de 36 anos de conflito em 1996, a USAID e o Banco Mundial injetaram dezenas de milhões de dólares de financiamento na Guatemala. Neste momento, surgiu uma indústria de microcrédito. Este setor teve um crescimento significativo após a retração econômica em 2008, expandindo sua carteira para a concessão de empréstimos a pequenas empresas, créditos hipotecários e seguros. A própria Almonga possui mais de 12 IMFs registradas.


Os dados para este estudo foram coletados através de uma pesquisa realizada com 148 domicílios em 2016. Houve outras entrevistas semi-estruturadas com as principais partes interessadas da comunidade. O foco são os guatemaltecos e guatemaltecas indígenas, que constituem 60% da população nacional, mas também 80% dos pobres do país. Tais grupos trazem um conceito alternativo de desenvolvimento à insistência neoliberal no crescimento sem limites. Em Almonga, o conceito de utz k'aslemal dos K'iche' percebe um equilíbrio de entidades humanas e não-humanas em uma terra de recursos finitos. A qualidade de vida é medida através da qualidade das relações coexistentes. Isto contrasta com os modelos de desenvolvimento estatal que ao longo de várias gerações apoiaram a capitalização da terra para exportações agrícolas comerciais, levando freqüentemente à desapropriação de grupos indígenas. A preocupação das autoras é que as microfinanças tirem as terras que restam das pessoas pobres, levadas à migração induzida pelo endividamento. De fato, os guatemaltecos e guatemaltecas compreendem a maior nação que migra para os EUA e é deportada de lá.


Assim como nos outros casos neste boletim, o microcrédito é promovido como estando disponível para pequenas empresas e, ainda assim, é freqüentemente utilizado para atender às necessidades diárias e apoiar momentos de crise, como em problemas de saúde dentro da família ou perda de emprego. Em outra semelhança, há uma mistura de fontes para empréstimos tanto formais (bancos, IMFs) quanto informais (financiadores, família), com muitas famílias fazendo malabarismos com múltiplas formas de dívidas. Mais de 77% dos entrevistados(as) usaram suas terras e casas como garantia para empréstimos. Os 53,1% pagaram suas dívidas, 40,6% ainda estavam no processo, e 6,3% haviam entrado em mora, muitos perderam suas terras como resultado. Embora exista uma longa tradição de emigração permanente e sazonal para os guatemaltecos(as), recentemente a decisão de migrar está sendo motivada por questões de dívidas e perda de terras. A migração de emprego também ocorre para priorizar o pagamento da dívida em relação a outras necessidades domésticas. Desta forma, a deportação dos EUA acarreta um risco de descumprimento em relação aos empréstimos. Visto ao lado de seus próprios termos de desenvolvimento, a migração não é vista como algo benéfico para a vida de Almonga, ao invés disso, representa uma atividade necessária apesar de causar inflação de preços da terra através de remessas e quebra da coesão familiar e comunitária.

 


Leia o relatório completo


Crédito fotográfico: Vale do Almolonga nas altas montanhas de Quetzaltenango, por Febel3345, licença CC0 1.0 Universal 


 


     



 


Algumas considerações finais...


Os casos apresentados nos três artigos contrastam fortemente com o mundo das microfinanças, consideradas como um antídoto para a pobreza global e a desigualdade estrutural. Será que os resultados negativos aqui expostos representam uma aplicação incorreta da regulamentação? Esta seria uma forma conveniente de defender o papel das microfinanças na redução da pobreza. Certamente, há muitas evidências aqui de sub-regulamentação onde o microcrédito está sendo usado para financiar atividades bastante separadas das pequenas empresas promovidas pelas IFIs para economias pós-conflito.


No entanto, acho que isto perde um ponto que as microfinanças falham e talvez seja incapaz de permanecer objetivo das condições socioeconômicas locais onde elas são implementadas. De fato, os casos aqui mostram como ela não só está se assimilando em formas estruturais de desigualdade, mas pode acabar por exacerbá-las. Isto é visto no Timor-Leste (violência baseada em classe e gênero) e na Guatemala (pobreza para grupos indígenas). Além disso, as microfinanças estão se fundindo em um pacote de fontes de crédito, tanto formais como informais, que estão criando coletivamente superendividamento e desapropriação de terras. Os microcréditos podem ser tomados para cobrir outras dívidas ou vice versa. Neste sentido, não deve ser uma ajuda apenas responsável, mas parte de um cenário econômico que resulta em dívidas.


A pergunta que também deve ser feita seria saber se isto é mesmo microfinanças. Os montantes emprestados no Camboja são tão elevados que ultrapassam a renda familiar anual, utilizada para atividades com pouco potencial para reduzir a pobreza. O microfinanciamento, sob um disfarce altamente comercializado, também se transformou simplesmente em outras formas de crédito rural, onde a margem de lucro supera todos os outros objetivos?


Desde a crise financeira global de 2008, as instituições bancárias da América do Norte, Ásia Oriental e Europa têm buscado ativamente novos mercados para investimentos financeiros. Existe uma corrupção preocupante do conceito de microfinanças, desde a estratégia a favor dos pobres até o motor da dívida na busca de lucro. No entanto, existe uma lacuna nesta análise.


Poderíamos nos beneficiar de mais dados sobre se os emprestadores estão realmente obtendo lucro. O que é verdade é que a perda de terras está se tornando uma terrível conseqüência desta forma comercializada de microfinanças. Economistas como Hernan de Soto fizeram questão de enfatizar como a terra continua sendo um bem essencial para os pobres rurais, e uma fonte potencial de crescimento de capital para a melhoria das condições de vida. Seria um desastre se o microfinanciamento se tornasse um meio de despojar os pobres deste ativo, deixando-os em pior situação.


Foi necessária alguma pesquisa para encontrar estes três artigos. O Camboja pode representar um caso excepcional, no crescimento extremo de um setor microfinanceiro comercial desde meados dos anos 2000. No entanto, não é único, a julgar pelos casos do Timor-Leste e da Guatemala. A questão é se outros países estão testemunhando conseqüências invisíveis negativas do microempréstimo.


A questão merece uma análise geográfica mais ampla. As vendas de terras sob a forma de dívida são complexas em sua falta de visibilidade, submergidas dentro de um pacote de questões econômicas locais. Elas podem não parecer tão dramáticas quanto a apropriação de terras em larga escala para a extração de recursos e projetos de desenvolvimento de infra-estrutura. Isto não significa que elas sejam menos prejudiciais às vítimas da dívida.