Estratégia ibérica contra os incêndios “não foi plenamente desenvolvida”, alerta TdC | Land Portal

Foto: Fabia Jones/Unsplash

Tribunais de Contas de Portugal e Espanha alertam que trabalho bilateral de prevenção e proteção contra os incêndios ainda está por desenvolver, e pedem mais recursos financeiros.

Portugal e Espanha são dois dos países com maior incidência de incêndios na União Europeia, tendo sofrido, nos últimos anos, episódios “muito violentos” dos chamados incêndios de “nova geração”, caracterizados por um comportamento extremo do fogo. Esta é a principal conclusão no relatório lançado pelos Tribunais de Contas dos dois países, onde é alertado que a estratégia de cooperação bilateral entre os dois países no combate aos incêndios “não foi plenamente desenvolvida”.

No relatório feito em conjunto por ambas as entidades, os dois países consideram que “a luta contra a desertificação, a prevenção e extinção de incêndios continua a ser um desafio” para Portugal e Espanha, sendo recomendado que a estratégia de intervenção seja melhorada. Para o TdC, a desertificação representa “uma ameaça significativa para os ecossistemas da Península Ibérica”, agravada pelas alterações climáticas.

O relatório aponta que o trabalho em conjunto a ser desenvolvido entre os dois países no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, acordado, em 2018, no seguimento do IV encontro entre os Tribunais de Contas de Espanha e de Portugal, “não foi plenamente desenvolvido“, informando que “os recursos financeiros não foram especificamente alocados e não foram previstas ou concluídas medidas de gestão e proteção dos solos”.

Pouco desenvolvidos estão também os quadros de monitorização dos programas e da desertificação e degradação dos solos, tendo os TdC de ambos os países realçado que, de momento, “não existem projetos de cooperação transfronteiriça”.

“Os Tribunais de Espanha e de Portugal consideram que deve definir-se o modelo de financiamento dos corpos de bombeiros, promover atividades de sensibilização, persuasão e alerta“, indica o comunicado, divulgado esta quarta-feira.

Apesar de não terem sido desenvolvidos pontos essenciais do programa de cooperação bilateral, o TdC de Portugal e Espanha informa que foram registados avanços no planeamento e na capacidade operacional, bem como na coordenação dos dispositivos de extinção de incêndios, “apesar dos desafios dos incêndios de nova geração”.

Por isso, são formuladas diversas recomendações, entre elas, “uma intervenção mais eficaz nos territórios, em termos de gestão ativa da floresta” e um planeamento “mais claro, mais articulado e mais operacionalizado” das ações de defesa dos territórios. Neste domínio, assinala-se a necessidade de, em Espanha, reforçar os recursos financeiros alocados às atividades de prevenção e de, em Portugal, acelerar a aplicação desta reforma iniciada em 2017.

Em ambos os países, os dois Tribunais de Contas defendem ser necessária uma “melhor articulação” entre os vários níveis de administração e as várias entidades envolvidas, e “um reforço” da monitorização e avaliação da execução das estratégias e planos, “a fim de prevenir riscos de insuficiência, sobreposição ou fragmentação de atividades e recursos”.

 

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página