Líderes da ONU alertam para efeitos da falta de apoio alimentar no Sudão do Sul | Land Portal

Foto: Rafael Palomo/Flickr


Após visita ao país, chefes da FAO, Ifad e PMA apontam que crises de alimentos, clima e insegurança causarão perda de vidas e meios de subsistência para milhões de pessoas; entidades enfatizam necessidade de transformar sistemas agroalimentares e capacitar comunidades.


O custo da falta de ação em lidar com as complexas crises de alimentos, clima e insegurança do Sudão do Sul será sentido na perda de vidas, meios de subsistência e futuros para milhões de pessoas em todo o jovem país.


A avaliação é dos líderes de três agências das Nações Unidas, a Organização para Alimentação e Agricultura, FAO, o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, Ifad, e o Programa Mundial de Alimentos, PMA.


Visita ao país


Eles fizeram o alerta após uma visita de três dias ao país. O diretor-geral da FAO. Qu Dongyu, o presidente do Ifad, Alvaro Lario, e a diretora-executiva do PMA, Cindy McCain, visitaram comunidades que lutam contra os efeitos de eventos climáticos severos.


Com a falta de infraestrutura, a situação humanitária no país fica ainda mais grave, afetando campos agrícolas e meios de subsistência agropastoris e desalojando comunidades.


A visita ocorre depois que o relatório da ONU sobre o segurança alimentar e nutrição constatou que mais 122 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crônica desde 2019. 


Segundo Qu Dongyu, a visita ao Sudão do Sul destacou que com ajuda humanitária, centro de desenvolvimento e suporte tecnológico seria possível transformar os sistemas agroalimentares. 


Terras improdutivas


Já na avaliação do presidente do Ifad, o Sudão do Sul tem um grande potencial, com terras, água e uma população jovem. No entanto, apenas 4% das regiões estão sendo cultivadas. 


Alvaro Lario avalia que a agricultura de subsistência pode ser transformada em pequena escala e ser produtiva, melhorando a nutrição da população.


A diretora-executiva do PMA acrescenta que apenas distribuir alimentos não é a resposta. Cindy McCain defende que as comunidades sejam capacitadas para plantar sementes de esperança, oportunidade e desenvolvimento econômico.


A emergência humanitária no Sudão do Sul é causada por uma combinação de conflito, clima e preços crescentes de alimentos e combustíveis. 


A situação é agravada pelos combates no vizinho Sudão, que levaram mais de 190 mil pessoas a fugir pela fronteira para o Sudão do Sul, sobrecarregando ainda mais os já escassos recursos. 


Ao mesmo tempo, sete em cada 10 pessoas no Sudão do Sul têm entre 18 e 35 anos e as taxas de desemprego juvenil estão em 50%, exacerbadas por baixos níveis de educação, habilidades limitadas e uma economia fraca.


Futuro


Durante a visita, os líderes das agências da ONU viajaram para Aweil, no norte de Bahr el Ghazal, onde conheceram membros da comunidade que foram impactados por eventos climáticos, incluindo enchentes e secas prolongadas. Os habitantes beneficiam de projetos da ONU para fortalecer a resiliência, mitigar os impactos dos eventos climáticos e aumentar a produção de alimentos. 


Os chefes das agências também se reuniram com o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, para discutir a colaboração contínua.


Um novo acordo de parceria de cinco anos também foi assinado para renovar a cooperação interagências, que permitirá aprofundar a colaboração e coordenação nos níveis global, regional e nacional para apoiar a conquista do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2, que busca acabar com a fome.


Juntas, as agências cobrem um espectro de trabalho que vai desde respostas humanitárias a emergências e choques, até atividades de resiliência e desenvolvimento. 


Sob o acordo, as três agências com sede em Roma trabalharão na transformação dos sistemas agroalimentares, nutrição, igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, construção de resiliência, juventude e mudança climática.



 

 

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página