Sudão enfrenta maior crise de deslocamento interno do mundo | Land Portal

Foto: Sebastian Baryli/Flickr (CC BY 2.0

Seis meses após início de conflito, o país tem mais de 7,1 milhões de pessoas deslocadas internamente; situação é agravada por violações dos direitos humanos, com quase 4 mil civis mortos e 8,4 mil feridos, muitos devido à sua etnia; crianças deslocadas são especialmente afetadas, com escolas fechadas, interrompendo o acesso à educação. 

Seis meses após o início do conflito, o Sudão abriga a maior crise de deslocamento interno do mundo, com mais de 7,1 milhões de pessoas deslocadas dentro do país.

Dessas, 4,5 milhões foram deslocadas desde o início da violência em meados de abril, de acordo com os dados mais recentes da Organização Internacional para as Migrações, OIM.

Conflito e movimentos migratórios

Aproximadamente 3 milhões são originalmente de Cartum, a capital e epicentro do conflito. 

Além disso, mais de 1,2 milhão de pessoas fugiram para países vizinhos, com o Chade recebendo o maior número de refugiados, seguido por Egito, Sudão do Sul, Etiópia, República Centro-Africana e Líbia.

A diretora-geral da OIM, Amy Pope, afirma que a situação humanitária no Sudão é catastrófica, sem um fim à vista, com os civis sofrendo as consequências.

Ela pede que a comunidade internacional “não abandone o Sudão” e apoie urgentemente os esforços de socorro antes que a violência avance para uma tragédia humanitária “ainda mais profunda”.

Colapso social

A onda de pessoas recém-deslocadas em todo o Sudão sobrecarregou os serviços públicos e os recursos nas áreas de chegada, criando condições de vida terríveis para milhões de pessoas.

A situação é agravada pela significativa degradação da infraestrutura, pelo colapso dos serviços bancários e financeiros, pelas frequentes interrupções na internet, telecomunicações e fornecimento de eletricidade e pela destruição das instalações de saúde.

Serviços de saúde

Quase 80% da população deslocada relatou que os serviços de saúde não estão disponíveis ou são inadequados e 86% das pessoas não tem eletricidade, de acordo com os dados da Matriz de Acompanhamento de Deslocamento da OIM.

A OIM está atuando na resposta desde o início do conflito, fornecendo assistência a mais de 444 mil pessoas no Sudão. A organização está expandindo suas operações, abrindo novos escritórios em cidades como Kosti, Wad Madani e Wadi Halfa.

Até o momento, apenas 28% do apelo da OIM para o Sudão e países vizinhos foi atendido. 

A OIM apela urgentemente à comunidade internacional por financiamento adicional e apoio na facilitação de acesso irrestrito e seguro para entregar ajuda crítica onde é mais necessária.

Violação dos direitos humanos

A agência da ONU para Refugiados, Acnur, alerta para o aumento de mortes e graves violações dos direitos humanos contra civis em Darfur, incluindo refugiados e pessoas deslocadas internamente nos últimos seis meses.

De acordo com o Acnur, quase 4 mil civis foram mortos e 8,4 mil ficaram feridos em Darfur, entre 15 de abril e o final de agosto. A agência estima que a maioria deles tenha sido alvo principalmente devido à sua etnia. 

Crianças deslocadas, incluindo refugiados, foram pegas no fogo cruzado, mortas ou mutiladas à medida que suas escolas foram atingidas por bombardeios. Aqueles que chegaram a locais seguros enfrentam angústia psicológica aguda.

A infraestrutura civil também foi alvo e pelo menos 29 cidades, vilas e aldeias foram destruídas em todo Darfur após saques e incêndios extensivos. 

Pontos de água comunitários, escolas, mercados e hospitais, foram destruídos, danificados, saqueados ou ocupados. Profissionais de saúde que tentam operar clínicas improvisadas em residências particulares foram deliberadamente alvejados.

Crianças

As escolas em Darfur foram fechadas, interrompendo o acesso à educação e a espaços seguros para milhões de crianças, que ficam expostas a sérios riscos de violência sexual, trauma e separação de suas famílias. 

O número de crianças não acompanhadas e separadas das famílias está aumentando. 

Conforme o conflito destruiu meios de subsistência, menores refugiados permanecem em risco elevado de sequestro para trabalho forçado, recrutamento em grupos armados e tráfico de pessoas.

Civis que tentam deixar a região em busca de segurança relataram ter sido impedidos de fugir ou terem sido presos e detidos em postos de controle.

Financiamento

O Acnur e seus parceiros continuam monitorando a situação, incluindo através de redes de proteção comunitária em todos os estados de Darfur, alcançando mais de 90 mil pessoas com informações e serviços sempre que possível. 

A falta de financiamento também é um problema para o Acnur, deixando ainda mais difícil responder às necessidades das pessoas, tanto dentro do Sudão como nos países vizinhos.

 O Plano de Resposta Humanitária do Sudão, que visa atender 17 milhões de pessoas no interior do país, está apenas um terço financiado. 

Já o Plano Regional de Resposta a Refugiados do Sudão, que solicita US$ 1 bilhão para atender às necessidades de 1,8 milhão de pessoas no Chade, República Centro-Africana, Egito, Etiópia e Sudão do Sul, recebeu apenas 29% dos fundos necessários.

 

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página