ONU confirma que 2023 bate recorde de temperatura global | Land Portal

Foto: Derek Visser/Flickr (CC BY-NC-ND 2.0)

Organização Meteorológica Mundial revela que temperatura média global anual esteve 1,45°C acima dos níveis pré-industriais; mundo se aproxima cada vez mais dos limites estabelecidos no Acordo de Paris; El Niño e mudanças climáticas agravaram calor na segunda metade do ano; 2024 pode ser ainda mais quente, acompanhado por enormes impactos socioeconômicos.


A Organização Meteorológica Mundial, OMM, oficializou: 2023 é o ano mais quente registrado. 

Seis conjuntos de dados internacionais confirmam que a média global anual foi 1,45°C, com margem de erro de mais ou menos 0,12°C. O valor se aproxima cada vez mais de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, o marco limite do Acordo de Paris. 

Maior desafio da humanidade

As temperaturas globais em entre junho e dezembro estabeleceram novos recordes mensais. Julho e agosto foram os dois meses mais quentes registrados.

A secretária-geral da OMM, Celeste Saulo, alerta que as mudanças climáticas são o maior desafio que a humanidade enfrenta. Ela adiciona que o aquecimento global afeta a todos, mas especialmente os mais vulneráveis. 

Para a líder da agência da ONU, é necessário agir com urgência, implementando reduções drásticas nas emissões de gases de efeito estufa e acelerando a transição para fontes de energia renovável.

Ela explica que a mudança de La Niña para El Niño até meados de 2023 reflete-se no aumento da temperatura em relação ao ano passado. Além disso, considerando que El Niño normalmente tem o maior impacto nas temperaturas globais após atingir o pico, há a possibilidade de que 2024 seja ainda mais quente.

Aumento contínuo da temperatura global

Segundo a OMM, cada  década depois de 1980 foi mais quente que a anterior. Os últimos nove anos foram os mais quentes já registrados. Os anos de 2016 e 2020 eram anteriormente classificados como os mais quentes registrados, com 1,29°C e 1,27°C acima da era pré-industrial.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que “as ações da humanidade estão queimando a terra. 2023 foi apenas uma prévia do futuro catastrófico que nos aguarda se não agirmos agora. Devemos responder às elevações de temperatura sem precedentes com ações inovadoras".

O monitoramento de longo prazo das temperaturas globais é apenas um indicador das mudanças climáticas e de como elas estão acontecendo. Outros indicadores-chave incluem concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, aquecimento e acidificação dos oceanos, nível do mar, extensão do gelo marinho e balanço de massa glaciar.

O relatório provisório do Estado do Clima Global em 2023 da OMM, publicado em 30 de novembro, mostrou que recordes foram quebrados em todas as áreas.

Temperatura da superfície do mar

As temperaturas da superfície do mar foram excepcionalmente altas durante grande parte do ano, acompanhadas por ondas de calor marinho severas e prejudiciais. A extensão do gelo marinho da Antártica foi a mais baixa registrada, tanto para o mínimo de final de verão em fevereiro quanto para o máximo de final de inverno em setembro.

Em 2023, o calor extremo afetou a saúde e ajudou a alimentar incêndios. Chuvas intensas, inundações, ciclones tropicais que se intensificam rapidamente deixaram um rastro de destruição, morte e enormes perdas econômicas.

A OMM emitirá seu relatório final do Estado do Clima Global de 2023 em março de 2024 com detalhes sobre os impactos socioeconômicos na segurança alimentar, deslocamento e saúde.

Acordo de Paris

O Acordo de Paris busca manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais, enquanto se esforça para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas afirma que os riscos relacionados ao clima para sistemas naturais e humanos são mais elevados com um aquecimento global de 1,5 °C do que no presente, mas menores do que a 2°C.

Um estudo do último ano passado apontava para a probabilidade de 66% de que a temperatura média anual global próxima à superfície entre 2023 e 2027 seja superior a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais por pelo menos um ano.

Isso não significa que o nível de 1,5°C especificado no Acordo de Paris ficaria permanentemente elevado, mas se refere ao aquecimento de longo prazo ao longo de muitos anos. A probabilidade de exceder temporariamente 1,5°C tem aumentado constantemente desde 2015, quando estava próximo de zero. Entre 2017 e 2021, a probabilidade subiu para 10%.

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página