Planeta Terra teve o trimestre mais quente já registrado | Land Portal

Foto: Sjensen/Flickr​

Intensidade das alterações climáticas e frequência das ondas de calor pioram, segundo a Organização Meteorológica Mundial; agosto foi cerca de 1,5°C mais quente do que a média pré-industrial entre 1850 e 1900.

Um novo estudo revela que a Terra teve o trimestre mais quente já registrado. As  temperaturas da superfície do mar não têm precedentes e as condições climáticas foram bastante extremas.

O relatório lançado esta quarta-feira pela Organização Meteorológica Mundial, OMM, e o Serviço de Alterações Climáticas Copérnico confirma a piora da intensidade das alterações climáticas e a frequência das ondas de calor. 

Impacto na qualidade do ar e na saúde

A realidade das ondas de calor extremo, agravadas por incêndios florestais e pela poeira do deserto, têm um impacto mensurável na qualidade do ar, na saúde humana e no ambiente.

O climatologista Álvaro Silva comenta à ONU News, de Lisboa, o quadro atual  e revela que ainda pode ser revertido. 

“Já se antevia. Este balanço que fazemos agora, no final do verão climatológico, que foi o mais quente que há registro já se esperava depois de um julho extremamente quente, o mais quente desde que há registro. E o mês de agosto foi o segundo mais quente e o agosto mais quente desde que há registro. Este balanço leva-nos a refletir e, sobretudo, a querer mais do ponto de vista da ação climática e de redução dos gases com efeito de estufa. Só com um aumento desta ambição, do ponto de vista de mitigação dos gases de efeito estufa, é que será possível atenuar e depois contrariar esta tendência crescente de aumento da temperatura global.”

Os cientistas envolvidos na pesquisa fizeram uma avaliação coletiva das tendências globais recentes e do que pode ser esperado, observando o aquecimento em toda a bacia oceânica e um aumento nas ondas de calor marinhas.

Acima do recorde de março de 2016

Pela pesquisa, a extensão do gelo marinho da Antártica permanece num nível recorde para esta época do ano.  

O mês passado foi cerca de 1,5°C mais quente do que a média pré-industrial entre 1850 e 1900. O período entre janeiro e agosto deste ano é o segundo mais quente já registrado a seguir a 2016, após um intenso aquecimento causado pelo fenômeno El Niño.

Em todo o mês de agosto, ocorreram as mais altas temperaturas médias globais mensais da superfície do mar registadas, com 20,98°C. As temperaturas de todos os 30 dias do período superaram o recorde anterior, registrado em março de 2016.

 

 

Em nota, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o planeta acaba de passar pelo verão mais quente já registrado e que o “colapso climático” começou. 

Novo recorde nos próximos cinco anos

Para o líder da organização, ainda é possível evitar o pior do caos climático e não há tempo a perder.

Em relação à extensão do gelo marinho da Antártida manteve-se num nível recorde baixo para esta época do ano, com um valor mensal 12% abaixo da média. 

O dado é de longe a maior anomalia negativa para agosto desde que as observações por satélite começaram no final da década de 1970.

A extensão do gelo marinho do Ártico ficou 10% abaixo da média, mas bem acima do mínimo recorde de agosto de 2012.

Em maio, um relatório da OMM e do Met Office do Reino Unido apontava para 98% de probabilidade de que pelo menos um dos próximos cinco anos seja o mais quente já registrado. 

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page