Mulheres guineenses lutam pela posse da terra | Land Portal

“Muitas mulheres cultivam a terra, mas não têm direito a ser proprietárias", diz uma activista

BISSAU — 

A Associação das Mulheres Advogadas da Guiné-Bissau quer que as mulheres tenham o direito de posse de terra que, na prática, é controlada pelos homens.

Aquela organização lidera um movimento para que esse direito seja consagrado na Constituição da República, ora em revisão.

Outras feministas abraçam a causa, reconhecendo que prevalece a desigualdade entre homens e mulheres na sociedade guineense.

“Muitas mulheres cultivam a terra, mas não têm direito a ser proprietárias dessas terras. Portanto, esse é um direito que achamos que deve ser respeitado e que a Constituição deve integrar esse direito para que possamos ter uma sociedade mais justa,” diz Tânia Pereira, da Organização feminina Miguilan.

Dura realidade

A deputada Djariato Gomes Djaló manifesta o seu apoio ao projecto, por acreditar que a protecção constitucional pode mudar a vida das mulheres guineense.

Djaló conhece a dura realidade que as mulheres enfrentam.

“No meu caso, na minha família, as mulheres ou raparigas, não têm direito a herança, porque somos consideradas parte da família dos nossos maridos. E quando nos casamos, também aí, não temos direitos,” conta.

Ela diz que a lei “vai facilitar muito a vida das mulheres, sobretudo as dos campo”.

Optimismo

“O Grupo das Mulheres Advogadas acredita que as suas preocupações serão refletidas e tidas em conta na nova versão da Constituição guineense”, lê-se no documento visto pelo correspondente da VOA.

O Grupo entende ainda que "a igualdade não existe em termos funcionais e as práticas tradicionais colocam muitas mulheres em posição submissa".

A iniciativa, cujo documento foi, recentemente, debatido nas sessões abertas promovidas pelo Parlamento, é apoiada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da Paz.

Além da injustiça na posse da terra, Guiné-Bissau regista baixo nível de escolaridade de mulheres, com 45% delas analfbetas; 60% casadas com homens pelo menos 10 anos mais velhos; 37% das raparigas casam antes dos 18 anos, em comparação com apenas 3,7% dos rapazes.

Por outro lado, metade das raparigas até idade de 14 anos são sujeitas à mutilação genital feminina; e no Parlamento de 102 lugares, apenas 13% são mulheres.

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página