Nações Unidas: degradação de terras impacta 3,2 milhões de pessoas no mundo | Land Portal
Até o ano de 2050, a degradação de terras pode gerar um deslocamento interno de 143 milhões de pessoas. Segundo a Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, essas pessoas terão que se mudar para fugir da falta de água e queda na produção de alimentos causados pelos impactos iniciais da mudança climática.
 
Em nota para o Dia Mundial de Combate à Desertificação, marcado neste 17 junho, o secretário-geral António Guterres disse é preciso “reconhecer o valor imenso das terras produtivas e saudáveis no fortalecimento das comunidades mais pobres, as quais estão lidando com as secas e outros desastres climáticos iniciais.”
 
Insegurança
 
O processo de desertificação foi identificado pela Convenção sobre Mudanças Climáticas como uma das possíveis causas na queda na produtividade das terras. De acordo com o Panorama Global da Biodiversidade, 45% da comida produzida no mundo vem de regiões secas.
 
O estudo diz ainda que quedas na produtividade, falta de alimentos e água, estão gerando insegurança mundialmente.  Duas em cada cinco pessoas já sentem os efeitos do fenômeno.
 
De acordo com a ONU, entre 1983 e 2013, 20% das terras do planeta foram degradadas e ao todo, dois bilhões de hectares de terras no mundo estão deteriorados. Porém, a maior parte das terras pode ser recuperada.
 
Impactos
 
Guterres diz que a “ciência fornece o conhecimento e as ferramentas necessárias para o gerenciamento das terras e superação das secas e os impactos das mudanças climáticas, e que governos e comunidades que dependem da terra podem agora se preparar para secas futuras.”  
 
Apesar das tecnologias existiram, segundo a ONU, os instrumentos políticos a investimentos para promoverem elas não existem. Por isso, muitas comunidades dependentes do uso das terras ficam expostas às mudanças no clima, como secas, chuvas imprevisíveis e o desaparecimento de fontes subterrâneas de água.
 
Neste vídeo em inglês, a Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação aborda a ligação entre a degradação de terras e a migração. 
 

Vilas

Para evitar os riscos da degradação a secretária-executiva da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, Monique Barbut, disse que consumidores e setores privados precisam se unir aos governos para salvas as terras saudáveis.

“A terra vale muito mais do que o seu valor econômico. Ela define a nossa forma de vida e cultura, tanto para quem vive nas cidades ou em vilas. Ela purifica a água que bebemos, nos alimenta, nos rodeia com beleza. Mas não podemos satisfazer as necessidades de uma população em crescimento se a quantidade de terras saudáveis e produtivas continuarem a decair de forma tão dramática. ”

Este ano, eventos oficiais da ONU para marcar o Dia de Combate à desertificação acontecem no Equador, na capital Quito. O país promove a bioeconomia entre os agricultores com o objetivo de difundir o uso de tecnologia de gerenciamento sustentáveis, que possam manter a produtividade das terras.

Entre as ações recomendadas pela ONU na campanha deste ano, estão a mudança no comportamento dos consumidores e padrões de produção insustentáveis, a adoção de planos eficientes de uso das terras e a criação de mecanismos que incentivem o setor privado a investir na restauração de terras degradadas.

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page