ONU quer maior protagonismo de indígenas contra tripla crise planetária | Land Portal

Foto: United Nations Photo/Flickr

Chefe de Direitos Humanos diz que esses povos perfazem mais de 18% dos mais pobres do mundo; Genebra acolhe reunião de especialistas sobre os direitos do grupo. 


O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos declarou que mesmo os povos indígenas estando entre os primeiros e os mais afetados pela crise do clima, eles sobrevivem e prosperam com a resiliência que resulta de gerações de sabedoria. 

Para Volker Turk esta é a hora de os indígenas tomarem protagonismo como parceiros indispensáveis para resolver a tripla crise do clima extremo, da perda de biodiversidade e dos recursos naturais, além dos danos aos direitos humanos. 

Habilidades das mulheres indígenas 

O chefe de Direitos Humanos discursou na 16ª Sessão do Mecanismo de Peritos em Direitos dos Povos Indígenas. 

O mundo tem 476 milhões de membros dos povos indígenas, o equivalente a 6,2% da população global. Mas devido à discriminação, exclusão, expropriação e exploração, eles totalizam 18,2% dos pobres, destacou o discurso. 

Volker Turk ressaltou questões como prosperidade e o progresso em tradições e habilidades de mulheres indígenas a quem chamou de “depositárias e professoras de sabedoria”. 

 

Fragilização devido à terra e seus recursos 

Como outra característica marcante do grupo, ele apontou a grande probabilidade delas de “carregar e sustentar a cadeia da cultura entre as gerações passadas e as comunidades e famílias de hoje”. 

No contexto da crise global de mudanças climáticas, o alto comissário ressaltou os efeitos da distribuição desigual de recursos prejudicando os indígenas. Turk fala de indígenas, muitas vezes, lançados em situações frágeis, apesar ou por causa de seus laços estreitos com a terra e com seus recursos. 

 

Marginalização de mulheres indígenas 

No caso de mulheres, elas sofrem com as relações especiais com o meio ambiente e o maior nível de marginalização que enfrentam pelo fato de serem mulheres e indígenas.  

Em sua visão, elas “são desproporcionalmente atingidas pelos danos climáticos e pelo desenvolvimento, sem princípios, dos megaprojetos.” 

Para o chefe de Direitos Humanos, há uma necessidade de que os indígenas sejam completamente incluídos em todas as conversas nacionais, regionais e globais. 

Turk defende que essa inclusão e participação devem, desde já, acontecer de uma forma plena, livre e segura. Ele incentivou os países a terem mais atuação, indo além das atuais discussões para proteger os direitos indígenas. 


Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page