Brasil: PF alerta para mortes em série de ianomâmis com avanço do garimpo | Land Portal

BOA VISTA (RR) — O avanço do garimpo ilegal no território ianomâmi , num ritmo sem precedentes nos últimos anos, pode provocar novas mortes em série na maior terra indígena do Brasil. O alerta foi feito pela Polícia Federal (PF), que cita, em um relatório, o risco de vir a ser cometido o crime de “genocídio”. Comete esse crime quem mata parte de, ou totalmente, um grupo étnico. O alerta da PF está registrado em inquérito que já resultou na prisão de 30 pessoas responsáveis por viabilizar a exploração do ouro. São proprietários de máquinas e aviões em Roraima que possibilitam o garimpo ilegal, onde atuam milhares de garimpeiros pobres ou miseráveis, muito próximos às aldeias dos ianomâmi. As investigações da PF seguem em andamento.

O GLOBO esteve dentro da reserva indígena, documentou a rotina frenética da retirada do ouro por meio de máquinas chamadas de “tatuzões” e retratou, em reportagem publicada no último domingo, o rastro de violência, tensão e destruição ambiental deixado pelo garimpo ilegal nos ianomâmi. A reportagem subiu o Rio Mucajaí, pontilhado de acampamentos onde ocorre a exploração ilegal do ouro. O Mucajaí, ao lado do Uraricoera, são os rios mais importantes para os ianomâmi em Roraima. A ação da PF se concentrou no garimpo ilegal nesses dois caudalosos cursos d’água no coração da floresta amazônica.

 

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O garimpeiro Lourinho mostra o ouro que ganhou durante a última semana de trabalho. Garimpo ilegal está vivo no coração da maior reserva indígena do Brasil, a dos ianomâmis, em Boa Vista (RR) Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo.

 

“A instabilidade causada pela presença dos garimpeiros pode gerar novos confrontos e genocídios contra os indígenas”, sustenta a PF na conclusão do relatório parcial sobre a atuação de grupos organizados que garantem a logística do garimpo ilegal. O Ministério Público Federal (MPF) denunciou integrantes desses grupos por enxergar a existência de uma “organização criminosa com tarefas bem definidas”, em basicamente cinco frentes: logística aérea, auxílio aos grupos de logística aérea, logística terrestre, centrais de radiofonia que funcionam com rádios dentro do garimpo e compradores de ouro. A Justiça Federal em Roraima aceitou a denúncia e, desde novembro do ano passado, oito investigados passaram à condição de réus. Outras investigações correm em sigilo.

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

Atividade ilegal envolve entre 10 mil e 15 mil garimpeiros entocados na Floresta Amazônica, numa fuga constante de fiscalizações. Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

 
Massacre em 1993
 
Ao falar em possibilidade de novas mortes em série, a PF faz uma referência ao assassinato de 16 ianomâmis, mortos em 1993 por garimpeiros que estavam na terra indígena, crime que ficou conhecido como Massacre de Haximu. A Justiça Federal condenou à prisão quatro garimpeiros por crime de genocídio, interpretado como o extermínio de um grupo étnico. A sentença foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2006.
 
“Pepe” ou “Prancheta”, os apelidos de Garcia no garimpo, continuou atuando, com operação de avião que faz frete para garimpeiros e trasporte de comida, propriedade de balsas para retirada do ouro e associação a mais quatro pessoas, entre sócios e piloto, como consta do inquérito da PF.
 
Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo
Irmão, 57 anos, já garimpou no Pará e está em terra ianomâmi há um ano e três meses Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo
 
A investigação mostra que um dos sócios de Garcia chegou a ser piloto da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai). Depois, ele passou a pilotar o avião de Garcia, garantindo o funcionamento do garimpo na terra dos ianomâmi, a exemplo dos outros investigados no esquema.
 
A PF elenca seis crimes cometidos por esses donos de aviões e maquinários: usurpação de bens da União, ao extrair ilegalmente o ouro; extração de recursos minerais sem autorização; permissão para que garimpeiros transportem ou armazenem substância tóxica ao meio ambiente e à saúde humana, como é o caso do mercúrio; fornecimento ilegal de armas e munições aos garimpeiros; lavagem de dinheiro; e organização criminosa. Segundo a PF, os grupos atuam de forma estruturada e com altos lucros, envolvendo donos de balsas e “tatuzões”, joalheiros, financiadores e donos de aviões.
 

Ao GLOBO, o advogado de Garcia, Alain Delon Jordão, diz que o garimpeiro já cumpriu a condenação por genocídio, com extinção da pena há mais de dez anos. De acordo com Delon Jordão, as acusações de que Garcia é dono de garimpo e de balsas, feitas em sucessivas investigações após a acusação de genocídio, ainda são inconclusas, sem sentença. 

 

Imagens

 

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

Após terminar o trabalho no barranco, 334,5 gramas de ouro foram divididos entre o dono da máquina e os doze garimpeiros. Os ianomâmis – 23 mil indígenas – são diretamente impactados pela pilhagem em suas terras, em especial pelo caminho percorrido pelo mercúrio e pela proximidade ao garimpo Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

 

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O mercúrio é usado para que o ouro se junte e assim seja mais facil ser lavado Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

 

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

Garimpeiro com a caneta, mangueira de água usada para a escavação da terra Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

 

 

 

 
 

Compartilhe esta página

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.