Guiné-Bissau: Mulheres continuam sem acesso à terra apesar da lei considerar isso de ilegal | Land Portal

Foto: ICRISAT/Flickr (CC BY-NC 2.0)

BISSAU — Na Guiné-Bissau, as mulheres guineenses têm sido vitimas de discriminação sobre o acesso a terra, não obstante a lei determinar que todos são iguais.

Em entrevista a Voz de América, Magda Correia, Coordenadora do Projecto “Ntene Terra - PARTEMULHER”, um projecto do Governo guineense, implementado pela FAO, sob auspício financeiro da União Europeia, e versado na promoção da igualdade de acesso às terras entre o Homem e a Mulher, falou-nos da posição em que as mulheres estão colocadas face ao acesso, a distribuição e gestão das terras:

“A mulher não tem poderes para decidir, não participa nas reuniões e mesmo nas heranças”, disse Magda Correia que acrescentou haver casos “em que, não tendo filho, apenas filhas [meninas] a herança, por exemplo a Terra Casa, é relegada ao sobrinho do marido, ou marido da própria filha ou das próprias filhas”.

“Ainda há situações em que o homem vende a terra e a mulher fica sem espaço para a sua actividade de horticultura”, acrescentando ainda que “às vezes a mulher pede emprestado ao novo proprietário da terra para continuar a desenvolver o seu trabalho.”

A Coordenadora do Projecto “Ntene Terra – PARTEMULHER” disse que tudo isto se deve à “tradição, aos usos e costumes”.

“Por isso, não é fácil combater esta situação de um dia para o outro”, disse Magda correia que manifestou contudo optimism que a situação irá mudar no futuro.

Acho que vamos conseguir, e com a estratégia que vamos ter e que iremos utilizar, assim como a mudança de consciência das mulheres, sobretudo as da zona rural, um dia vão ter acesso às terras”, afirmou serem precisas

“mais campanhas de sensibilização, formação, “djumbais” [Rodas de conversas]”.

“Não vai ser uma situação fácil, pois qualquer situação de mudança repentina tem a sua resistência”, disse.

Por sua vez, Isabel Almeida, Coordenadora da Organização feminina MIGUILAM, que participou em vários estudos sobre a situação das mulheres na Guiné-Bissau, confirmou que, tem havido restrição no acesso e gestão de terras por parte das mulheres.

As leis “esbarram com as normas costumeiras e práticas tradicionais , porque, tradicionalmente, a mulher não tem direito a herança e posse da terra, apenas ao seu uso”.

“Esta situação coloca grandes constrangimentos às mulheres no que respeita ao desenvolvimento, rentabilidade e sustentabilidade das suas actividades agrícolas, assim como o acesso ao crédito e apoios diversos”, afirmou.

O jurista, Vladimir Vieira Fernandes, confirma que a lei prevê a igualdade de acesso à terra entre o homem e a mulher, mas fez notar uma contradição.

“Como a lei reconhece as práticas tradicionais, em alguns grupos étnicos vamos encontrar que as mulheres não têm nenhum direito”, disse.

“Então, nestes grupos, quando você recorre a Lei e a Lei diz que devemos respeitar culturas locais, e quando vamos, por exemplo, a um grupo étnico, verifica-se que as mulheres não têm nenhum direito de acesso à terra”, sublinhou.

Daí que a Coordenadora da Organização feminina, MIGUILAM, Isabel Almeida, aponta que deve haver “a divulgação da Lei de Terra e seu Regulamento nas comunidades, e de outros instrumentos jurídicos que garante os direitos iguais às mulheres e homens, tais como a Constituição da República, a Política de Igualdade e Equidade do Género, como também a sensibilização das comunidades, advocacia junto às autoridades, aconselhamento jurídico, enquadramento e apoio às mulheres produtoras para aquisição legal de terrenos”.

Esta matéria foi originalmente publicada em VOA Português. Todo o material de texto, áudio e vídeo produzido exclusivamente pela Voz da América é de domínio público

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page