América Latina é região mais atingida pelos maiores focos de desmatamento | Land Portal
Foto: crustmania/Flickr
 
Os 24 principais focos de desmatamento no mundo provocaram a perda de uma superfície equivalente ao tamanho do Paraguai em menos de uma década, aponta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), o qual destaca que essas frentes se concentram principalmente na América Latina.
 
As frentes concentram mais da metade do desmatamento tropical mundial (52%), com um total de 43 milhões de hectares perdidos entre 2004 e 2017, aponta o documento, com divulgação nesta quarta-feira. A degradação se deve principalmente à expansão dos territórios destinados à agricultura e pecuária, mas também a outras causas, como a construção de estradas, a mineração e os incêndios florestais.
 
Nove dos 24 focos estão na América Latina, oito na África e sete na região Ásia-Oceania, segundo o WWF, que incluiu novas regiões em relação à lista de 2015, como a Amazônia da Venezuela e Guiana e a Floresta Maia do México e da Guatemala. As áreas mais afetadas pelo desmatamento estão na Amazônia e no cerrado brasileiros, na Amazônia boliviana, em Paraguai, Argentina, Madagascar e nas ilhas asiáticas de Sumatra e Bornéu.
 
O cerrado brasileiro, por exemplo, perdeu 3 milhões de hectares de florestas entre 2004 e 2017, o que significa mais de 30% desde o ano 2000, devido, principalmente, ao cultivo de soja destinado aos mercados nacional e internacional. A região, que abriga 5% das espécies animais e vegetais do planeta, é especialmente vulnerável, uma vez que menos de 8% de sua superfície está protegida, contra 50% no caso da Amazônia, segundo o relatório.
 
O WWF indica, paralelamente, que a extração de ouro é uma das principais causas do desmatamento na região amazônica do Planalto das Guianas, entre o leste da Venezuela e o norte do Brasil, e que a "frente Venezuela-Guiana" sofreu uma perda de 200 mil hectares entre 2004 e 2017.
 
- Desmatamento e zoonose -
 
Um total de 45% das florestas ainda de pé sofreram fragmentação ou degradação, o que as torna mais vulneráveis a incêndios e choques climáticos e mais permeáveis à atividade humana, por terem um acesso mais fácil. O WWF lembra, ainda, o efeito devastador dos incêndios de 2019, que se multiplicaram pela Amazônia brasileira e por Bolívia, Indonésia e Austrália.
 
As florestas tropicais são poços de carbono essenciais, uma vez que armazenam sete vezes mais do que o total emitido pela atividade humana anualmente. Por sua vez, abrigam grande parte da biodiversidade mundial, e sua degradação multiplica os contatos entre o homem e o mundo animal, favorecendo zoonoses, como a Covid-19.
 
O Fundo aponta governos e empresas como responsáveis por esse flagelo, mas também se dirige aos cidadãos de todo o mundo, para pedir aos mesmos que limitem o consumo de proteína animal, a fim de reduzir a pressão sobre as florestas, e que exijam das autoridades medidas concretas.
 
O WWF pede que a Comissão Europeia aprove este ano uma legislação "ambiciosa", que garanta um mercado europeu sem produtos ligados ao desmatamento, lembrando a consulta pública feita no mês passado, #Together4Forests, em que mais de 1 milhão de cidadãos se mostraram partidários dessa iniciativa.
 
Segundo dados da Comissão citados pelo Fundo, o consumo na União Europeia é responsável por mais de 10% do desmatamento mundial, devido à demanda de produtos como carne bovina, soja, café, cacau e óleo de palma.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page