Brazil related Organization | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data
Displaying 1 - 12 of 76
DMA

A revista Desenvolvimento e Meio Ambiente é editada pelo Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (PPGMADE) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Os principais objetivos da revista são publicar artigos de qualidade sobre temas socioambientais nos âmbitos local, nacional e internacional e divulgá-los amplamente em vários circuitos acadêmicos. Ancorado em uma perspectiva interdisciplinar, o foco central da revista é a discussão de problemáticas que se inscrevam na intersecção entre sociedade e natureza.

Universidade Estadual de Feira de Santana logo

A Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), também conhecida como Universidade de Feira de Santana, é uma instituição pública brasileira de ensino superior sediada na cidade de Feira de Santana,localizada no agreste baiano, apresentando campi avançados também nos municípios de Santo Amaro, situado no recôncavo baiano, e Lençóis, na região serrana da Chapada Diamantina. Até a década de 2010, quando inaugurou-se um campus da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) em Feira de Santana, era a única universidade pública presente na cidade. A UEFS é a terceira universidade mais

ISA
O Instituto Socioambiental (ISA) é uma organização da sociedade civil brasileira, sem fins lucrativos, fundada em 1994, para propor soluções de forma integrada a questões sociais e ambientais com foco central na defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos.
 
Revista Estudos Feministas

Revista Estudos Feministas (Revista Estudos Feministas)

A Revista Estudos Feministas é um periódico de publicação quadrimestral, indexado e interdisciplinar, de circulação nacional e internacional. A Revista Estudos Feministas aceita originais, em português e em espanhol, em forma de artigos, ensaios e resenhas, que podem ser tanto específicos a uma determinada disciplina quanto interdisciplinares em sua metodologia, teorização e bibliografia

logo_rede_social.gif

A Rede Social de Justiça e Direitos Humanos é resultado 
da experiência de trabalho com dezenas de organizações 
não-governamentais e movimentos sociais.

Nosso trabalho tem como objetivo responder a uma demanda 
de ação e articulação de denúncias de violações de direitos humanos ocorridas no Brasil e inclui:

· formulação de petições e submissão de casos a organismos nacionais e internacionais visando a proteção dos direitos humanos;

· participação em delegações emergenciais em áreas e situações de conflito;

· observação de julgamentos;

Fundação Getúlio Vargas logo

 

O posicionamento do Brasil no rol das potências e lideranças mundiais tem levado à redefinição dos conteúdos das áreas clássicas do Direito e ao surgimento de novas áreas e novos tipos de advocacia, o que torna premente a necessidade de formação de quadros profissionais que sejam, além de altamente qualificados, capazes de atuar em patamares diferenciados.

A UNMP iniciou sua articulação em 1989 e consolidou-se a partir do processo de coletas de assinaturas para o primeiro Projeto de Lei de Iniciativa Popular que criou o Sistema, o Fundo e o Conselho Nacional por Moradia Popular no Brasil (Lei 11.124/05). Com esta tarefa os movimentos de moradia do Estado do Paraná, São Paulo e Minas Gerais iniciam com objetivo de articular e mobilizar os movimentos de moradia, lutar pelo direito à moradia, por reforma urbana e autogestão e assim resgatar a esperança do povo rumo a uma sociedade sem exclusão social.

O MMTR-NE nasceu na década de 80 a partir das reflexões e do intercâmbio de trabalhadoras rurais dos estados de Pernambuco e Paraíba. Com o intuito de superar as dificuldades na relação de gênero, as feministas rurais desses dois estados realizaram um encontro que reuniu mulheres de todo o Nordeste e contribui para que, em 1986, o Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste fosse construído.

O Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) é um movimento camponês, de caráter nacional e popular, de massa, autônomo e de luta permanente, constituído por grupos de famílias camponesas. Seu principal objetivo é a produção de comida saudável para as próprias famílias e também para todo o povo brasileiro, garantindo assim, a soberania alimentar do país. Além disso, busca o resgate da identidade e da cultura camponesa, respeitando as diversidades regionais.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB é uma instância de aglutinação e referência nacional do movimento indígena no Brasil, que nasceu com o propósito de:

– fortalecer a união dos povos indígenas, a articulação entre as diferentes regiões e organizações indígenas do país;
– unificar as lutas dos povos indígenas, a pauta de reivindicações e demandas e a política do movimento indígena;
– mobilizar os povos e organizações indígenas do país contra as ameaças e agressões aos direitos indígenas.

Share this page