Quem travará a máfia dos recursos naturais no sul de Angola? | Land Portal
ONG acusa militares e pessoas ligadas ao partido no poder de extração ilegal de madeira e minérios. MPLA nega envolvimento institucional e mostra-se preocupado com a ação de uma "máfia" que exploraria recursos naturais.

 

Uma rede integrada por militares de altas patentes e indivíduos ligados ao partido no poder seria responsável pela exploração ilegal de recursos vegetais e minerais, além de usurpar áreas destinadas à agricultura de subsistência na região sul de Angola.

A Missão de Beneficência Agropecuária do Kubango, Inclusão, Tecnologias e Ambiente (MBAKITA) acusa generais e pessoas ligadas ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) de montarem estruturas ilegais para a extração de diamante e madeira. 

"Não é só garimpo de diamantes. A madeira a nível do Cuando Cubango e Moxico tornou-se numa febre. Os generais e indivíduos com forte ligação ao partido [no poder] estão a explorar [os recursos] de uma maneira que dá medo", denunciou Pascoal Baptistiny, diretor-geral MBAKITA, durante a participação num programa da rádio Ecclesia.

Siphiwe Sibeko/Reuters

Diamantes também despertariam apetite de mafiosos (foto ilustrativa). Foto: Shiphiwe Sibeko/Reuters

Intimidação de ativistas

Baptistiny lamentou que os crimes ambientais estejam cada vez mais a ser praticados por quem devia cuidar e servir a população e que os ativistas estejam a sofrer retaliações por protegerem o meio ambiente e os interesses das comunidades.

Segundo o diretor da MBAKITA, quem denuncia as irregularidades acaba por ser visto como opositor ou inimigo. "Podemos fazer denuncias. A pessoa que você quer denunciar é, por exemplo, o chefe dos garimpeiros, mas a sua denuncia não terá peso nenhum. Às vezes, a pessoa que esta ligada à justiça é a primeira a praticar aquele ato", explica.

Segundo Baptistiny, áreas para cultivos de subsistência estão a ser usurpadas nas províncias do Cuando Cubango, Huila e Cunene.

"Ocupam extensões e extensões de terra com a intenção de fazer fazendas e demarcam [as áreas]. Lá colocam fiscais, militares armados, com a ordem de proibição de circular naquele território. Há muitas limitações [impostas às] comunidades para o acesso a frutos silvestres", denuncia.

Adolfo Guerra / DW

Erosão em localidades do Cuando Cubango. Foto: Adolfo Guerra/DW

Cuando Cubango está vulnerável

O secretario municipal da UNITA, David Raimundo Lombo, também denuncia a exploração de recursos no Mavinga. O político diz que generais e membros do Governo central e da província dividiram áreas de exploração ilegal de diamantes através de cooperativas destinadas a outros fins.

"Eles têm os seus códigos. É difícil notares que há um general ou um ministro envolvido ali. Quem aparece é um estrangeiro, com máquinas e como responsável", diz Lombo.

Outro secretário municipal da UNITA, Diniz Pedro Ngongo, diz que a exploração do ferro-gusa na região do Cuchi está a enriquecer um grupo de pessoas sem qualquer controlo, transparência ou prestação de contas. "Não conhecemos o destino do ferro. Se é o Governo ou outras pessoas que fazem isso…", lamenta Ngongo, destacando que as comunidades estão excluídas da extração do minério e de qualquer benefício.

O padre Adriano Mulundo Kajamba lamenta que a exploração irregular dos recursos naturais e minerais apenas esteja a prejudicar as comunidades da região do Cuito Cuanavale. "Este município é muito assolado pelo garimpo da madeira e isto tem gerado consequências ao ecossistema, está a refletir-se na questão das ravinas e também na seca".

Adolfo Guerra/DW

MPLA nega qualquer envolvimento institucional nas irregularidades e está preocupado com a "máfia". Adolfo Guerra/DW

O que diz o MPLA
 
O MPLA distancia-se de qualquer envolvimento institucional nas atividades extrativas irregulares. Sem aceitar gravar entrevista, Amélia Nunda, do Departamento de Informação e Propagada do MPLA no Cuando Cubango, não negou o envolvimento de pessoas com alguma ligação com o partido na exploração irregular de diamante e madeira na província. Nunda adiantou, entretanto, que estes atos não têm ligação com o MPLA. Seriam ações de indivíduos, idadãos com interesses privados, que praticariam tais atividades por sua conta e risco. 
 
Numa entrevista à Rádio Nacional de Angola em setembro, o Governador do Cuando Cubango denunciou a existência de uma máfia que exploraria madeira na província.
 
Júlio Bessa destacou que a rede ilegal envolveria cidadãos angolanos e asiáticos. O também dirigente do MPLA lamentou que havia vozes que se opunham à fiscalização das autoridades da província.

 

 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page