Investigação internacional ressalta atrocidades no Sudão | Land Portal
Author(s): 
ONU
Language of the news reported: 
Portuguese

Foto: Geoff Pugh/Nando and Elsa Peretti Foundations/Flickr (CC0 1.0​)

Caso em curso no Tribunal Penal Internacional destaca importância de justiça para as vítimas; promotor-chefe do órgão pede mais atenção do Conselho de Segurança para a crise no país africano; ele afirmou que violações do direito internacional humanitário não são isentas de consequências.

O promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional, TPI, Karim Khan, apresentou nesta segunda-feira um relatório sobre a situação em Darfur, no Sudão, aos membros do Conselho de Segurança da ONU.

Com base em missões de investigação em campo, cobrindo o período de agosto de 2023 a janeiro de 2024, o documento afirma que “vidas inocentes estão sendo perdidas e o Sudão está à beira do colapso”.

Risco de espalhamento da violência

O relatório ressalta ainda que “as violações do direito internacional humanitário não são isentas de consequências para os seus perpetradores”, em especial em situações em que “inocentes civis e estruturas protegidas são continuamente alvo de ataques”, como ocorre no atual conflito.

Dentre as atrocidades em curso no país africano, marcado pela guerra entre o Exército sudanês e as Forças de Apoio Rápido, RSF, o Escritório do Promotor definiu como prioritários os crimes de violência sexual e de gênero. 

Ao se dirigir aos membros do Conselho de Segurança, ele pediu “soluções inovadoras para responder à catástrofe” e para impedir que a violência se espalhe “de forma ainda mais ampla”.

Crise que requer atenção internacional urgente

Ele afirmou ter visitado campos de refugiados no Chade onde interagiu com pessoas que sofreram traumas e fugiram sem nada, apenas com a roupa do corpo. 

Para Khan, a situação é “terrível em todas as medidas” e o conflito requer, “mais do que nunca”, a atenção do Conselho de Segurança.

O promotor ressaltou que uma em cada três pessoas nas partes afetadas do Chade é refugiada do Sudão e afirmou ter ouvido de muitas vítimas que elas foram deslocadas diversas vezes ao longo de 2023. 

Após relatar situações de estupro e ameaças de extermínio sofridas por sobreviventes, ele disse que é imperativo que os habitantes de Darfur “recebam justiça e não apenas escutem as promessas de justiça que tem escutado durante muito tempo”.

Coleta de evidências

Karim Khan sublinhou que o direito internacional deve ser respeitado e que os princípios e leis do Estatuto de Roma aplicados pelo TPI, “são um patrimônio partilhado da humanidade, que abrange culturas, religiões e etnias, pessoas de diversas crenças e origens e constitui a base comum para avanços”.

No período relatado, o gabinete do promotor aumentou ainda mais o seu envolvimento com novos parceiros de cooperação, organizações da sociedade civil, comunidades afetadas e vítimas e sobreviventes que fugiram para o Chade na sequência de crimes alegadamente cometidos contra eles em Darfur. 

Esta ação de investigação no terreno permitiu recolher uma série de dados importantes, depoimentos de testemunhas, bem como outras formas de provas documentais e audiovisuais.

 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page