Publicado primeiro decreto-lei que regulamenta Lei de Bases da Habitação | Land Portal
O primeiro decreto-lei que regulamenta a Lei de Bases da Habitação foi hoje publicado em Diário da República, adaptando os programas 1.º Direito, Porta de Entrada e de Arrendamento Acessível, bem como a orgânica do Instituto da Habitação.
 
O diploma, que entra em vigor no dia 02 de novembro -- com exceção das adaptações do Programa de Arrendamento Acessível, que apenas são aplicadas 90 dias após a publicação, ou seja, no fim de dezembro -, surge um ano depois da entrada em vigor da lei de bases, adequando a esta legislação os instrumentos da denominada Nova Geração de Políticas de Habitação do executivo socialista.
 
Em causa estão o 1.º Direito -- Programa de Apoio ao Acesso à Habitação (para pessoas a viver em condições indignas), o Porta de Entrada -- Programa de Apoio ao Alojamento Urgente (para pessoas privadas de habitação temporária ou definitivamente) e o Programa de Arrendamento Acessível (para casos de baixos rendimentos).
 
Com o diploma hoje publicado pretende-se também dotar o Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) das "competências necessárias para proceder ao inventário do património do Estado com aptidão para uso habitacional e à gestão da bolsa de imóveis do Estado para habitação, com vista ao aumento da oferta de habitação com apoio público a custos acessíveis", medidas anunciadas pelo Governo em 17 de setembro e cuja regulação foi também hoje publicada.
 
O instituto é definido como "a entidade pública promotora da política nacional de habitação", que concretiza e coordena a política nacional nesta área, publicando anualmente um relatório de monitorização e gerindo o Portal da Habitação. O decreto-lei acrescenta o foco na "habitação de interesse social" às suas funções de aquisição e urbanização de terrenos, aquisição e arrendamento, promoção de construção e reabilitação urbana.
 
O texto também altera o decreto-lei sobre as normas regulamentares do regime da propriedade horizontal, no que toca às obras necessárias em partes comuns de condomínios.
 
Estipula-se que as entidades públicas com competências na área da gestão habitacional podem determinar e promover essas obras em edifícios onde são condóminos, tal como é permitido aos municípios.
 
"Sempre que, por ato ou omissão dos condóminos, a assembleia de condóminos não reúna ou não sejam tomadas as decisões necessárias ao cumprimento das obrigações legais de elaboração do regulamento do condomínio, de contratação do seguro obrigatório ou de constituição de fundo de reserva, qualquer condómino pode assegurar o cumprimento das mesmas como administrador provisório", é referido no novo diploma.
 
Se esse administrador provisório for uma entidade pública com atribuições na gestão habitacional e for necessário fazer obras nas partes comuns, o organismo "pode recorrer à execução coerciva das mesmas [...], sempre que não seja possível uma decisão da assembleia de condóminos para o efeito".
 
A nova legislação também altera o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial para simplificar e acelerar a promoção da oferta pública de habitação. Para tal, inclui "formas alternativas de execução de uma unidade operativa de planeamento e gestão", no âmbito da Estratégia Local de Habitação, da Carta Municipal de Habitação ou da Bolsa de Habitação (previstas na lei de bases), permitindo também que o número de estacionamentos por fogo seja adequado às necessidades.
 
As adaptações constantes no novo decreto-lei ocorrem, segundo o Governo, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social: "No contexto atual, a resposta ao problema estrutural de escassez de habitação pública ganha redobrado sentido e pertinência [...]. Importa assim promover uma implementação mais simples, célere e abrangente dos instrumentos já criados".
 
Em 17 de setembro, o Governo aprovou a realização de um inventário do património imobiliário do Estado apto para uso habitacional e a criação de uma bolsa destes imóveis para arrendamento acessível, prevendo já a oferta de "cerca de 15 mil habitações".
 
"Temos dezenas de milhares de imóveis do Estado, uma grande parte deles sem utilização, falta fazer um inventário de todo o património", avançou então o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, indicando que, depois de identificados os imóveis com aptidão habitacional, passa por uma decisão política a passagem para uma bolsa de imóveis do Estado, para serem disponibilizados para habitação acessível.
 
O executivo anunciou também a aprovação do diploma que adequa os programas habitacionais (decreto-lei n.º 81/2020), hoje publicado, destacando a aplicação, no âmbito do 1.º Direito - Programa de Apoio ao Acesso à Habitação, a majoração das comparticipações (a fundo perdido) para os municípios e "o financiamento a 100% para os municípios do interior, em linha com a estratégia nacional para o desenvolvimento do interior e coesão territorial".

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page