FAO apoia plano de impulso à agricultura familiar na América Latina e Caribe | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data
Declarada pela Assembleia Geral da ONU no fim de 2017, a Década da Agricultura Familiar foi lançada esta semana na América Latina e Caribe, em evento na República Dominicana com o objetivo de ajudar a região a implementar plano global de impulso ao setor.
 
O Plano Global de Ação da Década na América Latina e no Caribe abrange o período 2019-2028 e tem o apoio de Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA). A iniciativa serve como um guia geral, mas cada região deve adaptá-lo para criar soluções de acordo com desafios e potenciais de sua agricultura familiar.
 
De acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês), a agricultura é uma das principais fontes globais de emissões de gases de efeito estufa. Transformar este setor é essencial para enfrentar as mudanças climáticas, e a agricultura familiar pode desempenhar um papel central nesse processo.
 
Declarada pela Assembleia Geral da ONU no fim de 2017, a Década da Agricultura Familiar foi lançada esta semana na América Latina e Caribe, em evento na República Dominicana com o objetivo de ajudar a região a implementar plano global de impulso ao setor.
 
O Plano Global de Ação da Década na América Latina e no Caribe abrange o período 2019-2028 e tem o apoio de Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA). A iniciativa serve como um guia geral, mas cada região deve adaptá-lo para criar soluções de acordo com desafios e potenciais de sua agricultura familiar.
 
Na segunda-feira (26), o representante da FAO para América Latina e Caribe, Julio Berdegué, deu uma palestra dedicada à contribuição da agricultura familiar para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
 
O evento reuniu atores do setor, incluindo governos, organizações de agricultura familiar, jovens, mulheres e povos indígenas, além de parlamentares, instituições acadêmicas, representantes do setor empresarial e cooperativo, organizações não governamentais e agências do Sistema ONU.
 
De acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês), a agricultura é uma das principais fontes globais de emissões de gases de efeito estufa. Transformar este setor é essencial para enfrentar as mudanças climáticas, e a agricultura familiar pode desempenhar um papel central nesse processo.
 
“Oito em cada dez fazendas da região fazem parte da agricultura familiar. Se não trabalharmos lado a lado com este setor, será impossível gerar a transição para uma agricultura inteligente e totalmente sustentável”, disse o diretor de políticas para o desenvolvimento territorial da FAO, Luiz Beduschi.
 
Segundo a FAO, a agricultura familiar também pode ser um aliado fundamental para salvaguardar a biodiversidade e o meio ambiente e promover sistemas alimentares sustentáveis ​​e resilientes.
 
Inovação como pedra angular
 
Para a FAO, a Década da Agricultura Familiar será uma oportunidade de impulsionar a inovação neste setor. Os agricultores precisam ter mais acesso à inovação digital e a tecnologias que lhes permitam modernizar seus modelos de produção, integrar novos conhecimentos, aumentar sua produtividade e acessar mercados mais dinâmicos.
 
“Isso é essencial se quisermos um mundo rural mais próspero e coeso, já que todos nos beneficiamos do trabalho da agricultura familiar, uma vez que produzem a maior parte dos alimentos frescos e locais de maneira sustentável. Mas suas contribuições podem ser muito maiores se tiverem acesso às últimas inovações”, explicou Beduschi.
 
Agricultura familiar em números
 
• 8 das 10 fazendas da região são da agricultura familiar
• Existem mais de 16,5 milhões de fazendas na região: 56% delas (9,6 milhões) estão na América do Sul; 35% na América Central e no México (5,8% milhões); e 9% (1,5 milhão) no Caribe.
• Mais de 90% de todas as fazendas em Antígua e Barbuda, Chile, Guiana, Haiti, Honduras, Paraguai e Suriname.
• Mais de 80% das fazendas do Brasil, República Dominicana, El Salvador, Granada, Guatemala, Nicarágua, Panamá e Santa Lúcia fazem parte do setor.
• Dá trabalho para mais de 60 milhões de pessoas.
• Apenas 23% das terras agrícolas da América Latina e do Caribe estão nas mãos de agricultores familiares. E nos países andinos é apenas 13%.
• O tamanho médio das propriedades familiares na região é de 13 hectares; Se o Cone Sul for excluído, o tamanho médio é reduzido para 2,5 hectares.

Share this page

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.